‘Não arrecadamos na sacristia, mas o PT arrecada nos prostíbulos’

Senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) rebate comentário irônico do ex-presidente Lula em evento nesta sexta-feira, em que o petista disse que os tucanos arrecadam dinheiro para suas campanhas na "sacristia", e que o PT precisaria aprender com eles: "Não arrecadamos na sacristia, mas o PT arrecada nos prostíbulos", postou o tucano no Twitter; delação da Andrade Gutierrez, vazada na quinta-feira, apontou doações com dinheiro de corrupção apenas para o PT, sem citar o PSDB

Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) defende mais tempo para aperfeiçoar o projeto do Marco Civil da Internet (PLC 21/2014)
Senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) defende mais tempo para aperfeiçoar o projeto do Marco Civil da Internet (PLC 21/2014) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

SP 247 - O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) rebateu um comentário irônico feito pelo ex-presidente Lula durante evento nesta sexta-feira 8 com entidades ligadas à educação em São Paulo.

O petista afirmou em seu discurso que os tucanos arrecadam dinheiro para suas campanhas na "sacristia", e que o PT precisaria aprender com eles. Um dia antes, foram vazados trechos da delação premiada da Andrade Gutierrez, pela Operação Lava Jato, em que o ex-presidente da empreiteira, Otávio Azevedo, disse ter feito doações de campanha com dinheiro de corrupção apenas para o PT, sem citar o PSDB.

"Essa empresa mineira é sabidamente ligada aos tucanos, mas quando aparece só fala do PT. Parece que a empresa tem dois cofres: um com dinheiro benzido e um com dinheiro podre. E o PT só vai no podre", disse Lula, sem citar o nome da companhia.

Ao compartilhar uma reportagem da Folha de S. Paulo sobre o assunto, o senador tucano postou a seguinte mensagem, respondendo Lula: "Não arrecadamos na sacristia, mas o PT arrecada nos prostíbulos".

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247