O casal que reza para que coração do bebê que esperam pare de bater após aborto negado

Há uma semana o casal está esperando, confinado em um quarto de hospital

www.brasil247.com - Andrea e Jay
Andrea e Jay (Foto: Jay Weeldreyer)


247 - Andrea e Jay nunca pensaram que estariam nesta situação: rezando para que o coração de sua filha pare de bater antes que Andrea desenvolva uma infecção potencialmente mortal. A reportagem é do portal BBC.

O casal, dos Estados Unidos, estava de férias em Malta quando Andrea Prudente, grávida de 16 semanas, começou a perder sangue. Os médicos disseram que a placenta estava parcialmente descolada, e sua gestação não era mais viável.

Mas o coração do bebê ainda batia — e em Malta isso significa que, por lei, os médicos não podem interromper a gravidez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Há uma semana o casal está esperando, confinado em um quarto de hospital.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Estamos sentados aqui com o entendimento de que, se ela entrar em trabalho de parto, o hospital entrará em ação. Se o coração do bebê parar, eles vão ajudar. Fora isso, eles não vão fazer nada", conta Jay Weeldreyer à BBC pelo telefone.

A voz dele está cansada e irritada. Ele teme que a condição de Andrea possa mudar rapidamente a qualquer momento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Com a hemorragia e a separação da placenta do útero, com a membrana totalmente rompida, e o cordão umbilical do bebê projetando do colo do útero da Andrea, ela corre um risco extraordinariamente alto de infecção, o que poderia ser evitado", diz ele.

"A bebê não pode viver, não há nada que possa ser feito para mudar isso. Nós a queríamos, ainda a queremos, nós a amamos, desejamos que ela pudesse sobreviver, mas ela não vai. E não só estamos na situação em que estamos perdendo uma filha que queríamos, como o hospital também está prolongando a exposição da Andrea ao risco", acrescenta.

A única esperança deles é uma remoção médica de emergência para o Reino Unido — paga pelo seguro de viagem.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em 2017, outra turista teve que ser transferida para a França para fazer um aborto de emergência. Mas, para as mulheres de Malta, esta não é uma opção.

Aborto é ilegal em Malta

A ilha tem algumas das leis mais rígidas da Europa quando se trata de aborto: interromper uma gravidez é ilegal, inclusive quando o feto não tem chances de sobrevivência.

É uma lei que a advogada Lara Dimitrijevic, presidente da Women's Rights Foundation em Malta, vem combatendo há anos.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email