Pandemia deixa 1,6 mil brasileiros presos em Portugal

Com voos cancelados em cima da hora, pelo menos 8,2 mil turistas brasileiros que vivem em Portugal voltaram para o Brasil na semana passada, mas ainda há 1,6 mil que permanecem no país europeu

(Foto: Reuters)

247 - Com voos cancelados em cima da hora e sem conseguir remarcação, pelo menos 8,2 mil turistas brasileiros que vivem em Portugal voltaram para o Brasil na semana passada, mas ainda há 1,6 mil que permanecem no país europeu, que tem pelo menos 23 mortos e mais de 2 mil infectados pelo coronavírus. No Brasil a quantidade de casos se aproxima dos 2 mil. São 3 mortos - 30 em São Paulo e quatro no Rio de Janeiro. 

“Só quando cheguei ao aeroporto, às 6 horas da manhã, fiquei sabendo que meu voo para São Paulo estava cancelado", conta Priscila de Lima, de 32 anos, que chegou a Portugal no dia 13 pela Azul. "Os funcionários da segurança me deixaram entrar para tentar comprar outra passagem, mas só encontrei para o dia 27 por R$ 11 mil. Não tenho esse dinheiro", disse. Os relatos foram publicados no jornal O Estado de S.Paulo

O esquema de segurança do aeroporto de Lisboa foi reforçado. "Quando embarquei do Brasil para cá, não havia nenhum aviso de perigo. Falavam que a epidemia era só na Itália", diz Priscila, que ficou no aeroporto para tentar um encaixe em um voo noturno da TAP. 

"Tem de dar tudo certo, porque não tenho mais hotel para passar a noite.” Tadeu Augusto Borges, de 33 anos, recebeu uma mensagem de que seu voo da Latam, previsto para esta terça-feira, 24, estava cancelado. Ele foi pessoalmente ao aeroporto, mas foi impedido de entrar. "Ficamos mais de uma hora na espera por telefone, sem sucesso. O aplicativo trava. Tentei acionar o seguro viagem, mas eles alegam que para o caso de pandemia não há cobertura. Só temos reserva no hotel até amanhã. Depois, não sabemos o que fazer", afirma. 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247