Pernambucana cria chip que identifica 18 tipos de câncer

Biomédica e professora universitária Deborah Zanforlin, de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, é responsável por desenvolver um chip que detecta por meio de um exame de sangue, em apenas 15 minutos, 18 tipos de câncer ainda no estágio inicial;  entre outras vantagens, biosensor não emite radiação e é portátil, o que permite o deslocamento para locais de difícil acesso, que possuem dificuldades para a realização do diagnóstico e tratamento "O chip pode ser utilizado para outras doenças no futuro, mas eu estou há cerca de dois anos focada no diagnóstico e no tratamento do câncer", disse;  chip será apresentado na competição internacional BioSciKin, na categoria Life Science, em Stanford, Califórnia (EUA)

Biomédica e professora universitária Deborah Zanforlin, de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, é responsável por desenvolver um chip que detecta por meio de um exame de sangue, em apenas 15 minutos, 18 tipos de câncer ainda no estágio inicial;  entre outras vantagens, biosensor não emite radiação e é portátil, o que permite o deslocamento para locais de difícil acesso, que possuem dificuldades para a realização do diagnóstico e tratamento "O chip pode ser utilizado para outras doenças no futuro, mas eu estou há cerca de dois anos focada no diagnóstico e no tratamento do câncer", disse;  chip será apresentado na competição internacional BioSciKin, na categoria Life Science, em Stanford, Califórnia (EUA)
Biomédica e professora universitária Deborah Zanforlin, de Caruaru, no Agreste de Pernambuco, é responsável por desenvolver um chip que detecta por meio de um exame de sangue, em apenas 15 minutos, 18 tipos de câncer ainda no estágio inicial;  entre outras vantagens, biosensor não emite radiação e é portátil, o que permite o deslocamento para locais de difícil acesso, que possuem dificuldades para a realização do diagnóstico e tratamento "O chip pode ser utilizado para outras doenças no futuro, mas eu estou há cerca de dois anos focada no diagnóstico e no tratamento do câncer", disse;  chip será apresentado na competição internacional BioSciKin, na categoria Life Science, em Stanford, Califórnia (EUA) (Foto: Paulo Emílio)

Pernambuco 247 - O diagnóstico precoce e o tratamento do câncer está prestes a ter um avanço considerável graças a biomédica e professora universitária Deborah Zanforlin, de Caruaru, no Agreste de Pernambuco. Deborah é a responsável por desenvolver um chip que detecta por meio de um exame de sangue, em apenas 15 minutos, 18 tipos de câncer ainda no estágio inicial.

O chip será apresentado na competição internacional BioSciKin, na categoria Life Science, em Stanford, Califórnia (EUA). Segundo a biomédica, o biosensor identifica os marcadores sanguíneos das células cancerígenas ainda no estágio inicial da doença, ampliando as chances de cura em até 70%.

Entre outras vantagens do biosensor estão o fato de não emitir radiação e a portabilidade, o que permite o deslocamento para locais de difícil acesso, que possuem dificuldades para a realização do diagnóstico e tratamento.

"O chip pode ser utilizado para outras doenças no futuro, mas eu estou há cerca de dois anos focada no diagnóstico e no tratamento do câncer", disse Deborah em entrevista à Rádio Jornal.

 

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247