TSE aprova tropas federais para municípios

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, por unanimidade, o envio de Forças Federais para os município de Rio Largo e Pilar, em Alagoas, localizados na grande Maceió; também irão receber tropas federais os estados do Rio de Janeiro, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Acre e Pará

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, por unanimidade, o envio de Forças Federais para os município de Rio Largo e Pilar, em Alagoas, localizados na grande Maceió; também irão receber tropas federais os estados do Rio de Janeiro, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Acre e Pará
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, por unanimidade, o envio de Forças Federais para os município de Rio Largo e Pilar, em Alagoas, localizados na grande Maceió; também irão receber tropas federais os estados do Rio de Janeiro, Mato Grosso, Rio Grande do Norte, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Acre e Pará (Foto: Voney Malta)

Alagoas 247 - O Plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovou, por unanimidade, na sessão administrativa desta terça-feira (20), o envio de Forças Federais para os município de Rio Largo e Pilar, em Alagoas. Mais sete estados terão o auxílio de tropas federais. Os pedidos de envio de tropas federais para essas localidades foram feitos ao TSE pelo respectivo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado.

Os estados que irão receber as tropas federais para garantir a segurança são Rio de Janeiro, Mato Grosso, Alagoas, Rio Grande do Norte, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Acre e Pará.

Ao votar pelo envio de Força Federal para o Rio de Janeiro, o relator, ministro Gilmar Mendes, revelou que já enviou ao Ministério da Justiça a requisição das tropas federais para garantir a segurança da votação e a apuração nos municípios de Rio de Janeiro, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, São João do Meriti, São Gonçalo, Belford Roxo, Campos, Macaé, Magé, Queimados e Japeri.

O ministro Luiz Fux foi o relator dos pedidos de envio de tropas federais para os municípios de Nova Xavantina, Mato Grosso, e Rio Largo, em Alagoas. Ambos foram julgados procedentes pelo plenário.

O pedido do envio de tropas federais para 79 municípios do Rio Grande do Norte foi analisado pela ministra Rosa Weber. "Estou aprovando a requisição de Força Federal nos moldes solicitados. As razões que me levam a essa convicção são ressaltadas no acórdão do TRE-RN, que destaca a crise na segurança pública que está sendo vivenciada no local, com risco de comprometimento da normalidade das eleições e da integridade física dos eleitores", disse.

Já o relator do pedido de tropas federais para Itacajá (TO), Pilar (AL) e Parnaíba (PI), o ministro Herman Benjamin julgou procedente as duas primeiras solicitações. A última, no entanto, foi julgada improcedente sob o fundamento de que "o governador do Piauí, José Wellington Barroso de Araújo Dias, manifestou-se no sentido de que o respectivo estado está apto a prover a segurança e a manter a ordem nas eleições 2016", disse o relator.

O ministro Napoleão Nunes Maia, relator do pedido de envio de tropas federais feito pelo TRE-TO para o município de Paulo Afonso, julgou procedente a solicitação. "O governador do estado, Marcelo Miranda, manifestou-se favoravelmente ao pleito do Regional, razão pela qual voto pelo deferimento", afirmou.

Ao relatar a solicitação feita para Caarapó, no Mato Grosso do Sul, e para os municípios de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Senador Guiomard, Acrelândia, Tarauacá, Brasileia e Epitaciolândia, no Acre, o ministro Henrique Neves votou por aprovar os requerimentos. 

Os últimos pedidos de requisição de Força Federal para garantir a segurança e a ordem nas eleições de outubro foram analisados pela ministra Luciana Lóssio. Ela autorizou o envio das tropas para 70 municípios do Pará e para o município de Santa Cruz, no Rio Grande do Norte.

Relatório

Em seguida, a ministra sugeriu que os juízes eleitorais responsáveis pela requisição do apoio das tropas federais enviem relatório ao TSE "para que seja possível auferir a real necessidade e a efetiva serventia deste serviço que custa muito caro para a Justiça Eleitoral".

A sugestão foi aceita por todos os ministros. "Acho a sugestão da ministra Luciana Lóssio extremamente importante porque nós não vamos nos limitar simplesmente a fazer a requisição", salientou o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes.

Com assessoria

Conheça a TV 247

Mais de Geral

Ao vivo na TV 247 Youtube 247