Após críticas, Marinha suspende bombardeio em ilha de Alcatrazes

Após protestos, a Marinha suspendeu o bombardeio em uma ilha no arquipélago de Alcatrazes, na região litorânea de São Paulo

www.brasil247.com - Arquipélago de Alcatrazes
Arquipélago de Alcatrazes (Foto: Agência Brasil)


Sputnik Brasil - Na última semana, a Marinha do Brasil havia agendado, para os dias 16 e 17 de agosto, um exercício de tiros na ilha Sapata, que faz parte da zona de amortecimento do Refúgio de Vida Silvestre do Arquipélago de Alcatrazes, no litoral norte paulista.

Por se tratar do período reprodutivo de aves migratórias e de migração de baleias pela região, a notícia causou uma imediata repercussão na sociedade civil. Parlamentares e ambientalistas denunciaram a iniciativa da Marinha do Brasil, que recuou com a ideia de bombardear a região.

Em nota ao portal G1, a Marinha informou que a atividade foi adiada, mas que a razão para isso está ligada a "motivos meteorológico, e entre outros".

Entidades como o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), que gerencia as áreas protegidas do Núcleo de Gestão Integrada Alcatrazes, criticaram a ideia do bombardeio.

A prática é restrita à Ilha Sapata e um quilômetro do mar no seu entorno, como parte de acordo firmado entre os órgão militar e ambiental.

A ilha de Alcatrazes, a principal do arquipélago, foi utilizada como alvo para treinamentos de tiro até 2013, quando foi substituída pela ilha Sapata. O último exercício de tiros realizado na ilha foi no ano passado, dentro do período acordado.

No acordo costurado com a Marinha para criação da unidade de conservação, foi decidido que a ilha ficaria de fora do traçado do refúgio justamente para que o órgão militar fizesse seus treinamentos lá, e não nas demais ilhas do arquipélago, hoje protegidas.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email