Defasagem nos dados de sistema nacional trava fiscalização sobre madeira ilegal

Estados não alimentam o Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor) consistentemente, o que prejudica a fiscalização. Pará e Mato Grosso nem sequer fazem parte do sistema

(Foto: Exercito)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Existe uma defasagem nos dados relativos às madeiras que circulam no território brasileiro que prejudica a fiscalização do mercado. O Sistema Nacional de Controle da Origem dos Produtos Florestais (Sinaflor), do Ibama, é alimentado pelas secretarias de Meio Ambiente estaduais, e estas não o fazem de forma consistente. Além disso, Pará e Mato Grosso, os maiores produtores de madeira do Brasil, têm sistemas próprios e não passam dados ao Ibama desde uma decisão da Justiça para não aderirem ao sistema.

O Sinaflor foi lançado em 2018 e poderia conter dados desde a exploração até o destino final do produto. "Só que sem os estados fornecendo as informações, o sistema não serve para muita coisa, não é possível saber o que é legal ou ilegal", diz a ex-presidente do Ibama Suely Araújo.

Atualmente, a identificação da madeira ilegal é feita apenas por entidades de pesquisa, como o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) e o Instituto Centro de Vida (ICV).

Com informações do Globo.

Inscreva-se no canal de cortes da TV 247 e saiba mais:

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email