Alves, com fama de chorão, pode virar delator

Quem afirma é o colunista do Globo Jorge Bastos Moreno, porta-voz informal do presidente interino, Michel Temer; ele conta em sua coluna deste sábado que o ex-ministro do Turismo chorou três vezes quando descobriu que a Lava Jato já tinha em mãos dados de uma conta sua na Suíça; primeiro com Eduardo Cunha, depois na frente de Temer e pela terceira vez com um amigo

Quem afirma é o colunista do Globo Jorge Bastos Moreno, porta-voz informal do presidente interino, Michel Temer; ele conta em sua coluna deste sábado que o ex-ministro do Turismo chorou três vezes quando descobriu que a Lava Jato já tinha em mãos dados de uma conta sua na Suíça; primeiro com Eduardo Cunha, depois na frente de Temer e pela terceira vez com um amigo
Quem afirma é o colunista do Globo Jorge Bastos Moreno, porta-voz informal do presidente interino, Michel Temer; ele conta em sua coluna deste sábado que o ex-ministro do Turismo chorou três vezes quando descobriu que a Lava Jato já tinha em mãos dados de uma conta sua na Suíça; primeiro com Eduardo Cunha, depois na frente de Temer e pela terceira vez com um amigo (Foto: Gisele Federicce)

247 – O jornalista Jorge Bastos Moreno, colunista do Globo e porta-voz informal do presidente interino, Michel Temer, revela em suas notas deste sábado 18 a fama de chorão do ex-ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves.

Segundo Moreno, Alves teria chorado primeiro com Eduardo Cunha, na casa do deputado, que lhe deu a notícia de que a Lava Jato já tinha em mãos informações sobre uma conta sua na Suíça.

Depois, Alves teria chorado na frente de Temer e pela terceira vez com um amigo, a quem revelou que "as contas eram pendengas de família". O ex-ministro também já chorou na frente de Dilma.

"Alves é conhecido por não ter estabilidade emocional. Por isso é candidatíssimo a uma delação premiada", aposta o jornalista.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247