Black Blocs queimam Veja e jogam pedras contra prédio da Abril

"Aqui não é vandalismo, Aqui é ideologia. Todo mundo veio do trabalho para cá. Vandalismo é a fila do SUS. Vandalismo é dirigir bêbado, dirigir e matar", disse um dos participantes do protesto, que acontece em São Paulo; os manifestantes queimaram o exemplar de "Veja", que estampou em sua capa da semana passada uma reportagem sobre o movimento "black bloc" no mundo; pedras foram jogadas contra o prédio da Abril

"Aqui não é vandalismo, Aqui é ideologia. Todo mundo veio do trabalho para cá. Vandalismo é a fila do SUS. Vandalismo é dirigir bêbado, dirigir e matar", disse um dos participantes do protesto, que acontece em São Paulo; os manifestantes queimaram o exemplar de "Veja", que estampou em sua capa da semana passada uma reportagem sobre o movimento "black bloc" no mundo; pedras foram jogadas contra o prédio da Abril
"Aqui não é vandalismo, Aqui é ideologia. Todo mundo veio do trabalho para cá. Vandalismo é a fila do SUS. Vandalismo é dirigir bêbado, dirigir e matar", disse um dos participantes do protesto, que acontece em São Paulo; os manifestantes queimaram o exemplar de "Veja", que estampou em sua capa da semana passada uma reportagem sobre o movimento "black bloc" no mundo; pedras foram jogadas contra o prédio da Abril (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

245 – Um grupo de aproximadamente 200 manifestantes adeptos da tática "black bloc" lançam pedras contra a Editora Abril, em protesto em frente à sede da empresa, em São Paulo. A polícia respondeu com bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo. No início da manifestação, ainda no Largo da Batata, o grupo queimou a revista Veja, que estampou em sua capa da semana passada uma reportagem sobre o movimento "black bloc" no mundo.

Em frente ao prédio da editora, o confronto começou quando uma pedra foi lançada contra jornalistas que acompanhavam o ato. Outras pedras atingiram carros da Polícia Militar e um portão do prédio. A PM usou bombas para dispersar o grupo, que, durante a fuga, apedrejou a loja Castelatto, na marginal Pinheiros. Um participante do protesto foi detido na avenida Frederico Herman Jr. Um cinegrafista foi agredido por um policial militar. O jovem detido tinha um frasco de álcool na mochila. A PM suspeita que ele seja o manifestantes que tentou atear fogo em um Fiat Idea, estacionado na avenida Frederico Herman Jr

A manifestação começou com a participação de 50 pessoas, todas encapuzadas, que ocuparam uma faixa da avenida Faria Lima, de onde partiram em protesto rumo à Editora Abril. Cerca de 90 policiais militares acompanhavam a manifestação. "Aqui não é vandalismo, Aqui é ideologia. Todo mundo veio do trabalho para cá. Vandalismo é a fila do SUS. Vandalismo é dirigir bêbado, dirigir e matar", disse um dos participantes do protesto. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email