Casado: possível compra de votos na eleição de Cunha será investigada

Segundo o colunista José Casado, "evidências sobre a distribuição do dinheiro de propinas supostamente arrecadado por Eduardo Cunha (PMDB) e transferido a candidatos a prefeitos em 2012 e a deputados em 2014 passaram a compor um novo alvo na investigação em andamento"

Segundo o colunista José Casado, "evidências sobre a distribuição do dinheiro de propinas supostamente arrecadado por Eduardo Cunha (PMDB) e transferido a candidatos a prefeitos em 2012 e a deputados em 2014 passaram a compor um novo alvo na investigação em andamento"
Segundo o colunista José Casado, "evidências sobre a distribuição do dinheiro de propinas supostamente arrecadado por Eduardo Cunha (PMDB) e transferido a candidatos a prefeitos em 2012 e a deputados em 2014 passaram a compor um novo alvo na investigação em andamento" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Segundo o colunista José Casado, investigado por seu envolvimento na Lava Jato, o deputado Eduardo Cunha (PMDB) mobilizou contribuintes à própria reeleição e para campanhas de aliados que retribuíram, em fevereiro passado, elegendo-o à presidência da Câmara.

Diz ainda que o caso ser alvo de nova apuração: “Evidências sobre a distribuição do dinheiro de propinas supostamente arrecadado por Cunha e transferido a candidatos a prefeitos em 2012 e a deputados em 2014 passaram a compor um novo alvo na investigação em andamento. O potencial é bastante explosivo”.

O Supremo Tribunal Federal abriu um novo inquérito contra Cunha para investigar suas contas na Suíça. Ele é acusado de cobrança de propina em contratos da Petrobras: “O deputado, atual presidente da Câmara, se associara a Fernando Baiano na cobrança de US$ 16 milhões em propina de Julio Camargo, que atuava num negócio de US$ 1,2 bilhão da Petrobras com os grupos Samsung (Coreia do Sul) e Mitsui (Japão), para compra de dois navios-sonda”, destaca Casado – leia aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email