DCM revela como a Globo conseguiu renovar concessão mesmo devendo à Receita

No momento em que a Globo é acusada, no escândalo da Fifa, de pagar propinas para adquirir direitos de transmissão de competições, o site Diário do Centro do Mundo mostra como a emissora conseguiu renovar sua concessão mesmo devendo à Receita; "Em 2007, ano em que o processo de sonegação da Globo foi subtraído da Delegacia da Receita Federal em Ipanema, Rio de Janeiro, a emissora teve as cinco principais concessões do grupo vencidas – São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília e Distrito Federal. Apesar de devedora, a TV Globo teve as cinco concessões renovadas por um período de quinze anos (até 2022)", diz o texto do DCM

No momento em que a Globo é acusada, no escândalo da Fifa, de pagar propinas para adquirir direitos de transmissão de competições, o site Diário do Centro do Mundo mostra como a emissora conseguiu renovar sua concessão mesmo devendo à Receita; "Em 2007, ano em que o processo de sonegação da Globo foi subtraído da Delegacia da Receita Federal em Ipanema, Rio de Janeiro, a emissora teve as cinco principais concessões do grupo vencidas – São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília e Distrito Federal. Apesar de devedora, a TV Globo teve as cinco concessões renovadas por um período de quinze anos (até 2022)", diz o texto do DCM
No momento em que a Globo é acusada, no escândalo da Fifa, de pagar propinas para adquirir direitos de transmissão de competições, o site Diário do Centro do Mundo mostra como a emissora conseguiu renovar sua concessão mesmo devendo à Receita; "Em 2007, ano em que o processo de sonegação da Globo foi subtraído da Delegacia da Receita Federal em Ipanema, Rio de Janeiro, a emissora teve as cinco principais concessões do grupo vencidas – São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília e Distrito Federal. Apesar de devedora, a TV Globo teve as cinco concessões renovadas por um período de quinze anos (até 2022)", diz o texto do DCM (Foto: José Barbacena)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - No momento em que a Globo é acusada, no escândalo da Fifa, de pagar propinas para adquirir direitos de transmissão de competições, o site Diário do Centro do Mundo mostra como a emissora conseguiu renovar sua concessão mesmo devendo à Receita.

"Em 2007, ano em que o processo de sonegação da Globo foi subtraído da Delegacia da Receita Federal em Ipanema, Rio de Janeiro, a emissora teve as cinco principais concessões do grupo vencidas – São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Brasília e Distrito Federal. Apesar de devedora, a TV Globo teve as cinco concessões renovadas por um período de quinze anos (até 2022), conforme os processos 53000.020701/2007 (São Paulo), 53000.020700/2007 (Rio de Janeiro), 53000.020703 (Recife), 53000.020702/2007 (Brasília) e 53000.020704/2007 (Belo Horizonte)", diz o texto do DCM.

O texto de Joaquim Carvalho, de 2014, mostra que em 2007, quando a concessão caducou, a Globo era, efetivamente, devedora do fisco.

"Como a empresa conseguiu as certidões negativas e débito? Até o ano passado, quando estourou o escândalo, o sistema da Receita Federal informava que o processo que apurou a sonegação por parte da Globo se encontrava em trânsito. Hoje se sabe que, em 2 de janeiro de 2007, na véspera do processo seguir ao Ministério Público Federal e para a execução do débito no âmbito da própria Receita, o processo foi subtraído da delegacia do fisco em Ipanema pela agente administrativa que, à época, se chamava Cristina Maris Meinick Ribeiro – mais tarde, depois que foi denunciada, ela mudaria o nome para Cristina Maris Ribeiro da Silva", diz a matéria.

Leia mais no DCM

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247