Editorial do grupo Globo condena censura do governo Bolsonaro, que ajudou a eleger

Editorial do jornal O Globo, que apoiou o golpe contra a presidente Dilma Rousseff e ajudou a eleger o atual governo, condenou a crescente censura por parte do governo Jair Bolsonaro às artes e meios de comunicação

(Foto: PR | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Editorial do jornal O Globo, que apoiou o golpe contra a presidente Dilma Rousseff e a prisão política do ex-presidente Lula, destaca a escalada autoritária e o ataque à Constituição representado pela crescente censura por parte do governo Jair Bolsonaro às artes e meios de comunicação. 

Segundo o jornal da família Marinho, embora a tenha sido formalmente extinta no final da ditadura militar, “restam traços fortes do costume do controle da expressão e da criação artísticas na sociedade”, que ressurgiu com autoritarismo.

Ainda conforme o editorial, “agora justifica-se a arbitrariedade pela “defesa dos valores cristãos” e “da família”. Quando, na verdade, trata-se de impor um pensamento único”. “O desapreço de Bolsonaro e de seu grupo pela liberdade de expressão é conhecido pelas agressões cotidianas a veículos da imprensa profissional, atacados inclusive com o uso de instrumentos de Estado”, ressalta o texto.

‘Nas últimas semanas, atos de censura têm se espalhado na área artística, muito dependente de financiamentos de instituições estatais, empresas públicas entre elas. O governo Bolsonaro tem podido ir além das palavras e ordenar o boicote financeiro a projetos que supostamente não se enquadrem no objetivo da “defesa da fé cristã” e “da família”’, observa.

“Mas o dinheiro público não é de Bolsonaro, e o Estado precisa considerar a diversidade do país, amparando os produtores de arte sem avaliações ideológicas. Se não, o governo está se apropriando de recursos da sociedade para impor um projeto político e ideológico específico”, ressalta o editorial.

O texto diz, ainda, que os constantes atos de censura do governo Bolsonaro devem ser questionados junto ao Supremo tribunal Federal em “defesa das liberdades constitucionais”. “Talvez seja necessário levar à Corte esta típica agressão à Carta, com o uso de instrumentos públicos, inclusive recursos financeiros que são do Estado, provenientes dos impostos recolhidos por todos”, finaliza o editorial.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247