Explicação vazia de Queiroz é pior do que silêncio

O jornalista Bruno Boghossian afirma que, para um amigo da família, Fabrício Queiroz já causou problemas demais aos Bolsonaros; ele destaca que "a entrevista em que o PM se recusou a explicar a movimentação de sua conta bancária é pior do que o silêncio que guardou por quase três semanas. Suas evasivas dão pistas do que ele quer esconder"

Explicação vazia de Queiroz é pior do que silêncio
Explicação vazia de Queiroz é pior do que silêncio (Foto: Reprodução/SBT)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Bruno Boghossian afirma que, para um amigo da família, Fabrício Queiroz já causou problemas demais aos Bolsonaros. Ele destaca que "a entrevista em que o PM se recusou a explicar a movimentação de sua conta bancária é pior do que o silêncio que guardou por quase três semanas. Suas evasivas dão pistas do que ele quer esconder."

Na reportagem publicada no jornal Folha de S. Paulo, Boghossian sublinha: "o ex-assessor de Flávio pretendia afastar o antigo chefe das suspeitas levantadas pelo relatório do Coaf que registrou transações de R$ 1,2 milhão em um único ano. 'Eu sou o problema, não eles', disse ao SBT. Queiroz não fez muito mais do que isso. O PM decidiu manter segredo sobre os depósitos que recebeu dos servidores do gabinete de Flávio nos mesmos dias em que rodava a folha de pagamento da Assembleia Legislativa do Rio. Disse que só falaria do assunto ao Ministério Público —embora tenha se esquivado de quatro intimações para depor."

E prossegue somando-se ao coro inédito de críticas à entrevista infeliz do ex-assessor: "agora, o ex-assessor teria dois caminhos claros para encerrar o caso. O primeiro seria explicar os repasses que recebeu dos colegas: se eram parcelas de carros vendidos, pode listar os negócios e pedir que os funcionários confirmem a compra com os documentos dos veículos."

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247