Fernando Horta: Temer sequestrou e tortura o Brasil

"Primeiro era um governo de salvação pessoal (e do pmdb) travestido de salvação nacional (apoiado pelos patos fascistas). Isto até o joesleygate. A partir daí virou um sequestro, em que Temer e sua quadrilha estão cortando pedacinhos do país e mandando para os grupos sociais como ameaças", define o historiador, em texto publicado em seu Facebook, em que divide o governo Temer em duas fases

"Primeiro era um governo de salvação pessoal (e do pmdb) travestido de salvação nacional (apoiado pelos patos fascistas). Isto até o joesleygate. A partir daí virou um sequestro, em que Temer e sua quadrilha estão cortando pedacinhos do país e mandando para os grupos sociais como ameaças", define o historiador, em texto publicado em seu Facebook, em que divide o governo Temer em duas fases
"Primeiro era um governo de salvação pessoal (e do pmdb) travestido de salvação nacional (apoiado pelos patos fascistas). Isto até o joesleygate. A partir daí virou um sequestro, em que Temer e sua quadrilha estão cortando pedacinhos do país e mandando para os grupos sociais como ameaças", define o historiador, em texto publicado em seu Facebook, em que divide o governo Temer em duas fases (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Horta, em seu Facebook

Eu vejo o (des) governo do vice Michel Temer com duas fases já.

(duas em um ano? É, por aí)

Primeiro era um governo de salvação pessoal (e do pmdb) travestido de salvação nacional (apoiado pelos patos fascistas).

Isto até o joesleygate.

A partir daí virou um sequestro, em que Temer e sua quadrilha estão cortando pedacinhos do país e mandando para os grupos sociais como ameaças. Primeiro foi a reforma da previdência, depois as dívidas da globo, agora o aumento absurdo dos combustíveis.

Ele sequestrou o país e fica chantageando a todos com a ameaça velada do "posso fazer pior amanhã a menos que você hipoteque seu apoio para minha salvação" ...

É um sequestro. Seguido de tortura.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247