Janio: 'STF decidirá sobre bestialidade vigente na Câmara'

Em artigo deste domingo, o jornalista Janio de Freitas afirma que o julgamento sobre o rito do impeachment que o Supremo Tribunal Federal realizará na quarta (16) "pode estabelecer medidas que cessem, ou ao menos diminuam muito, a bestialidade vigente na Câmara"; no entanto, ele prevê que um pedido de vistas "normal" do ministro Gilmar Mendes adiará a decisão para fevereiro, o que pode desencadear "uma repentina explosão de violência" no país entre os grupos a favor e contra o impeachment; "O STF vai decidir também se o Brasil receberá um ambiente mais distenso ou novas formas de ameaça às instituições e à pretensão de democracia", ressalta

Em artigo deste domingo, o jornalista Janio de Freitas afirma que o julgamento sobre o rito do impeachment que o Supremo Tribunal Federal realizará na quarta (16) "pode estabelecer medidas que cessem, ou ao menos diminuam muito, a bestialidade vigente na Câmara"; no entanto, ele prevê que um pedido de vistas "normal" do ministro Gilmar Mendes adiará a decisão para fevereiro, o que pode desencadear "uma repentina explosão de violência" no país entre os grupos a favor e contra o impeachment; "O STF vai decidir também se o Brasil receberá um ambiente mais distenso ou novas formas de ameaça às instituições e à pretensão de democracia", ressalta
Em artigo deste domingo, o jornalista Janio de Freitas afirma que o julgamento sobre o rito do impeachment que o Supremo Tribunal Federal realizará na quarta (16) "pode estabelecer medidas que cessem, ou ao menos diminuam muito, a bestialidade vigente na Câmara"; no entanto, ele prevê que um pedido de vistas "normal" do ministro Gilmar Mendes adiará a decisão para fevereiro, o que pode desencadear "uma repentina explosão de violência" no país entre os grupos a favor e contra o impeachment; "O STF vai decidir também se o Brasil receberá um ambiente mais distenso ou novas formas de ameaça às instituições e à pretensão de democracia", ressalta (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Em artigo deste domingo, o jornalista Janio de Freitas afirma que o julgamento sobre o rito do impeachment que o Supremo Tribunal Federal realizará na quarta-feira (16) "pode estabelecer medidas que cessem, ou ao menos diminuam muito, a bestialidade vigente na Câmara".

Segundo ele, "as lacunas na legislação do impeachment, como alegam por aí, são no máximo frestas, que não resistem à leitura séria dos artigos específicos da Constituição, e um pouco de lógica". No entanto, alerta ele, "nada, porém, insinua que a maioria do Supremo tenha a mesma visão".

O jornalista frisa que será "apenas normal" se o ministro Gilmar Mendes pedir vista da ação, retendo a decisão até fevereiro, depois das férias a começarem no próximo fim de semana. "E não será anormal que Celso de Mello, ou Carmen Lúcia, ou Luiz Fux, por exemplo, adote o pedido de vista e adie a decisão", complementa.

Tal situação deverá elevar ainda mais as movimentações pró-impeachment, potencializadas pela movimentação de bastidores de Michel Temer e de alguns de seu grupo, pelos Estados", ressalta Janio.

Contra esta movimentação, ele prevê que se o governo conseguir despertar movimentos sociais e sindicatos a seu favor "estará complementada a difusão do clima de efervescência mútua", o que deve levar a "uma repentina explosão de violência".

"O Supremo Tribunal Federal vai decidir também se o Brasil receberá um ambiente mais distenso ou novas formas de ameaça às instituições e à pretensão de democracia", ressalta. 

O artigo na íntegra aqui.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email