Para mídia chinesa, EUA prejudicam a si próprios com projeto que difama Xinjiang

Para alguns políticos estadunidenses o importante é disseminar mentiras para difamar a China

www.brasil247.com - Xinjiang, China
Xinjiang, China (Foto: THOMAS PETER / Reuters)


Rádio Internacional da China - O chamado “Projeto de Lei sobre Prevenção do Trabalho Forçado dos Uigures”, elaborado pelo governo dos Estados Unidos, entrou em vigor nesta terça-feira (21). O documento prevê medidas proibindo a importação de produtos de Xinjiang. O fluxo será permitido apenas se “existirem provas definitivas de que as mercadorias não sejam resultado de trabalho forçado”.

Trata-se de mais uma tentativa dos EUA de difamar a situação dos direitos humanos em Xinjiang, com o objetivo de prejudicar as indústrias altamente produtivas da região, entre elas as de algodão, tomate e componentes fotovoltaicos, além de conter, como meta final, o desenvolvimento da China.

O chamado“trabalho forçado”em Xinjiang é uma grande mentira propagada por forças anti-China. No cultivo do algodão, que responde pela maior parte da produção da região, mais de 90% da semeadura é realizada por máquinas. Em alguns lugares, os equipamentos são dotados de tecnologias de navegação Beidou e condução não tripulada.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na prática, os políticos norte-americanos não se preocupam com a condição de emprego em Xinjiang. Para eles, o importante é disseminar mentiras para difamar o país oriental e prejudicar as indústrias de Xinjiang, excluindo a região e até mesmo a China da cadeia de fornecimento global.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Segundo analistas, a implementação do “projeto de lei de mentiras” prejudicará a ordem comercial internacional e a estabilidade das cadeias industriais e de fornecimento do mundo, provocando impactos às empresas de Xinjiang voltadas ao comércio exterior. Porém, não será possível alcançar a meta de frear o desenvolvimento econômico chinês.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tomamos como exemplo o algodão de Xinjiang. O setor têxtil avançado da China consome grande volume do insumo. Em 2021, o país importou 2,342 milhões de toneladas da matéria-prima. Por outro lado, a alta qualidade do produto de Xinjiang levou muitos grupos de renome internacional a firmar contratos de longo prazo com fabricantes situados na região produtora.

O mais importante é que Xinjiang sempre persistiu na política de abertura. Nos primeiros cinco meses deste ano, a balança comercial da região foi de 67,4 bilhões de yuans, uma alta de 30,9% em comparação com o mesmo período do ano passado. O grande mercado chinês e a demanda do mercado mundial abrirão um novo espaço para as empresas de Xinjiang. Os EUA se fecham, o que não prejudicará a competitividade dos produtos da região chinesa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email