S&P rebaixa Globo e segura Petrobras e Odebrecht

A Globo Comunicação e Participações S.A, da família Marinho, foi uma das 30 empresas que tiveram sua classificação rebaixada para negativa pela agência Standard & Poor's nesta quarta-feira 29; por meio de colunistas econômicos como Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, a Globo previu por várias vezes o rebaixamento e até a perda do grau de investimento do Brasil, que não se concretizou; já Petrobras e Odebrecht, usadas intensivamente para atacar o governo da presidente Dilma, não sofreram alteração em suas classificações; família Marinho demonstra não seguir os ensinamentos de Miriam e Sardenberg

A Globo Comunicação e Participações S.A, da família Marinho, foi uma das 30 empresas que tiveram sua classificação rebaixada para negativa pela agência Standard & Poor's nesta quarta-feira 29; por meio de colunistas econômicos como Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, a Globo previu por várias vezes o rebaixamento e até a perda do grau de investimento do Brasil, que não se concretizou; já Petrobras e Odebrecht, usadas intensivamente para atacar o governo da presidente Dilma, não sofreram alteração em suas classificações; família Marinho demonstra não seguir os ensinamentos de Miriam e Sardenberg
A Globo Comunicação e Participações S.A, da família Marinho, foi uma das 30 empresas que tiveram sua classificação rebaixada para negativa pela agência Standard & Poor's nesta quarta-feira 29; por meio de colunistas econômicos como Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, a Globo previu por várias vezes o rebaixamento e até a perda do grau de investimento do Brasil, que não se concretizou; já Petrobras e Odebrecht, usadas intensivamente para atacar o governo da presidente Dilma, não sofreram alteração em suas classificações; família Marinho demonstra não seguir os ensinamentos de Miriam e Sardenberg (Foto: Aquiles Lins)

247 - A agência de classificação de risco Standard & Poor's avisou que poderá rebaixar a nota de 30 empresas e instituições financeiras do País. Entre elas está a Globo Comunicação e Participações S.A, de propriedade da família Marinho. O anúncio foi feito um dia depois de a S&P reavaliar o Brasil: o grau de investimento foi mantido, mas num patamar inferior: BBB-. 

O grupo de comunicação mais rico do planeta, que já deu tantas lições sobre como gerir o Brasil por meio de jornalistas econômicos como Miriam Leitão e Carlos Alberto Sardenberg, e previu por várias vezes a perda do grau de investimento do Brasil, que não se concretizou, demonstra não ter feito o dever de casa. 

A relação completa das empresas analisadas pela S&P foi divulgada pelo Diário do Centro do Mundo. Ironicamente, a Petrobras e a Odebrecht Engenharia e Construção, duas companhias que têm sido alvo constante de notícias negativas nos telejornais da Globo, não tiveram suas classificações alteradas pela Standard & Poor's.

Abaixo, a lista completa das empresas que tiveram a perspectiva alterada para negativa:

– AmBev – Companhia de Bebidas das Américas (AmBev);
– Atlantia Bertin Concessões S.A. (AB Concessões) e suas subsidiárias, Rodovia das Colinas S.A. e Triângulo do Sol Auto-Estradas S.A.;
– Arteris S.A. e sua subsidiária, Autopista Planalto Sul S/A.;
– Braskem S.A.;
– CCR S.A. e suas subsidiárias, Autoban – Concessionária do Sistema Anhanguera Bandeirantes S.A., Concessionária da Rodovia Presidente Dutra S.A., e Rodonorte Concessionária de Rodovias Integradas S.A.;
– CESP-Companhia Energética de São Paulo;
– Companhia de Gás de São Paulo – Comgás;
– Companhia Energética do Ceará – Coelce;
– Duke Energy International Geração Paranapanema S.A. (Duke);
– Ecorodovias Concessões e Serviços S.A. e Concessionária Ecovias dos Imigrantes S.A.;
– Elektro Eletricidade e Serviços S.A. (Elektro);
– Eletrobras-Centrais Elétricas Brasileiras S.A.;
Globo Comunicação e Participações S.A. (Globo);
– Itaipu Binacional;
– Multiplan Empreendimentos Imobiliários S.A. (Multiplan);
– Net Serviços de Comunicação S.A. (Net);
– Samarco Mineração S.A.;
- Tractebel Energia S.A.;
– Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. (TAESA);
– Ultrapar Participações S.A. (Ultrapar); e
– Votorantim Participações S.A. e suas subsidiárias, Votorantim Industrial S.A. e Votorantim Cimentos S.A.

Abaixo segue a lista das empresas que tiveram mantidas as notas de crédito e a perspectiva, em estável:
– Aché Laboratórios Farmacêuticos S.A.;
– BRF S.A.;
– Embraer S.A.;
– Fibria Celulose S.A.; and
– Raízen

Abaixo seguem as empresas que tiveram mantidas as notas de crédito e a perspectiva, em negativa:
– Natura Cosméticos S.A.; e
– Vale S.A. e sua subsidiária, Vale Canadá Ltd.

Abaixo segue a lista das empresas que não foram afetadas pela ação envolvendo o rating do Brasil:
– Klabin S.A.;
– Neoenergia S.A.;
– Odebrecht Engenharia e Construção S.A.; and
Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras.

Leia também reportagem da Agência Brasil sobre o assunto: 

Standard & Poor's coloca 30 empresas brasileiras em perspectiva negativa

Após mudar a perspectiva de nota do Brasil de estável para negativa, a agência de classificação de risco Standard & Poor's também fez hoje (29) a alteração para 30 empresas e 11 instituições financeiras do país.

A agência manteve as notas das empresas e mudou somente a perspectiva, assim como fez com a nota de crédito em moeda estrangeira do Brasil no longo prazo, que permanece em BBB-. O país manteve o grau de investimento, ou seja, continua sendo considerado seguro para investidores, mas pode ter a nota rebaixada no futuro.

A mudança para as empresas brasileiras é uma consequência dessa alteração de perspectiva de nota do Brasil.

Ontem (28), a agência informou em comunicado que houve "uma correção significativa de política durante o segundo mandato da presidenta Dilma Rousseff", mas, mesmo assim, "o Brasil enfrenta circunstâncias políticas e econômicas desafiadoras".

Ao vivo na TV 247 Youtube 247