Sakamoto: após Cristiane, governo deveria levar a sério o Ministério do Trabalho

Jornalista Leonardo Sakamoto afirma que, "em tempos de Reforma Trabalhista e de Lei da Terceirização Ampla, o ministério deveria ser coordenado por alguém que conheça a fundo a CLT (ou o que restou dela), as convenções da Organização Internacional do Trabalho das quais o país é signatário e que conte com experiência no diálogo tripartite entre patrões, empregados e governo"

Jornalista Leonardo Sakamoto afirma que, "em tempos de Reforma Trabalhista e de Lei da Terceirização Ampla, o ministério deveria ser coordenado por alguém que conheça a fundo a CLT (ou o que restou dela), as convenções da Organização Internacional do Trabalho das quais o país é signatário e que conte com experiência no diálogo tripartite entre patrões, empregados e governo"
Jornalista Leonardo Sakamoto afirma que, "em tempos de Reforma Trabalhista e de Lei da Terceirização Ampla, o ministério deveria ser coordenado por alguém que conheça a fundo a CLT (ou o que restou dela), as convenções da Organização Internacional do Trabalho das quais o país é signatário e que conte com experiência no diálogo tripartite entre patrões, empregados e governo" (Foto: Leonardo Lucena)

247 - "Após o PTB desistir de indicar a deputada federal Cristiane Brasil ao Ministério do Trabalho, seu pai, Roberto Jefferson, também entregou os pontos e renegocia com Michel Temer quem assume a lojinha. Isso deve ser o final menos traumático de uma novela de baixa qualidade que se estendeu desde o início de janeiro, quando seu nome foi divulgado como a pessoa que ocuparia a vaga deixada por Ronaldo ''Trabalho Escravo'' Nogueira", diz o jornalista Leonardo Sakamoto

O blogueiro lembra que o Ministério do Trabalho já estava operando de "modo automático". "A fiscalização, por exemplo, que já vivia sob dificuldades financeiras na gestão Ronaldo Nogueira sofreu até cancelamentos de operação de fiscalização de trabalho escravo durante esse vácuo de poder", acrescenta.

De acordo com o jornalista, "em tempos de Reforma Trabalhista e de Lei da Terceirização Ampla, o ministério deveria ser coordenado por alguém que conheça a fundo a CLT (ou o que restou dela), as convenções da Organização Internacional do Trabalho das quais o país é signatário e que conte com experiência no diálogo tripartite entre patrões, empregados e governo. Alguém capaz de mediar os conflitos que surgirão de todas essas mudanças legais". "Mesmo que Temer tenha clara preferência pelo setor empresarial em detrimento aos trabalhadores, deveria escolher alguém capaz e não alugar o cargo, como tem feito".

Leia a íntegra no Blog do Sakamoto

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247