Avião desaparecido desceu para evitar radares

Boeing da Malaysia Airlines desaparecido no último dia 8 com 239 pessoas a bordo desceu a 5 mil pés de altitude (aproximadamente 1.500 metros) para evitar ser detectado pelos radares civis, informou nesta segunda-feira o diário cingapurense New Straits Times

A crew member from the Royal Malaysian Air Force uses binoculars onboard a Malaysian Air Force CN235 aircraft during a Search and Rescue (SAR) operation to find the missing Malaysia Airlines flight MH370, in the Straits of Malacca March 13, 2014. REUTERS/
A crew member from the Royal Malaysian Air Force uses binoculars onboard a Malaysian Air Force CN235 aircraft during a Search and Rescue (SAR) operation to find the missing Malaysia Airlines flight MH370, in the Straits of Malacca March 13, 2014. REUTERS/ (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

*Da Agência Brasil 

O avião desaparecido no último dia 8 com 239 pessoas a bordo desceu a 5 mil pés de altitude (aproximadamente 1.500 metros) para evitar ser detectado pelos radares civis, informa hoje (17) o diário cingapurense New Straits Times.

A investigação oficial confirmou que o Boeing 777-2000 da Malaysia Airlines desligou os seus sistemas de comunicação e mudou de rota deliberadamente. A análise dos dados do avião revela que o aparelho baixou de altitude para desaparecer dos radares. "A pessoa no comando do avião tem sólido conhecimento de navegação e radares", declarou uma fonte ao diário.

O voo MH370 saiu de Kuala Lumpur em direção a Pequim na madrugada do dia 8 deste mês e desapareceu dos radares cerca de 40 minutos depois da descolagem. A estimativa é que tenha voado durante várias horas sem ser detectado, disseram os peritos ao jornal de Cingapura.

As autoridades da Malásia pediram a uma série de países, a maioria do Sul e Centro da Ásia, que se juntem às buscas do avião, após a confirmação de que o aparelho mudou de rumo de forma deliberada e que se dirigiu para o Oeste.

Os novos dados, divulgados pelo primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, no sábado (15), abrem duas zonas de investigação sobre a rota seguida pelo avião: uma que vai do Norte da Tailândia até o Cazaquistão e Turquemenistão e outra que parte da Indonésia e entra pelo Oceano Índico, a Oeste da Austrália.

Vinte e seis países participam atualmente das operações de busca do avião: Austrália, Bangladesh, Birmânia, Brunei, China, Coreia do Sul, Emirados Árabes Unidos, Estados Unidos, Filipinas, França, Índia, Indonésia, Japão, Cazaquistão, Quirguizistão, Laos, Malásia, Nova Zelândia, Paquistão, Reino Unidos, Rússia, Cingapura, Tailândia, Turquemenistão, Uzbequistão e Vietnã.

O primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, anunciou hoje que o seu governo reforçou a contribuição nas operações de busca do avião. A Austrália assumirá a responsabilidade de procurar o aparelho em uma vasta parte do Oceano Índico e enviará recursos adicionais de vigilância marítima para ajudar na missão.

O avião transportava 227 passageiros, incluindo sete menores, e uma tripulação de 12 malaios. Entre as possíveis causas do desaparecimento estão as hipóteses de sequestro, terrorismo ou problemas psicológicos ou pessoais de alguém a bordo.

O ministro dos Transportes da Malásia, Hishammuddin Hussein, disse nesse domingo (16) que as últimas palavras recebidas pelo controle aéreo - "Bem, boa noite" [All right, good night] - foram pronunciadas no interior da cabine depois de o sistema de comunicações [Acars - Aircraft Communications Addressing and Reporting System] ter sido deliberadamente desligado.

*Com informações da Agência Lusa

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email