Cientistas identificam uma segunda cepa mais agressiva do coronavírus

Novas descobertas levam os cientistas a defenderem que é urgente realizar pesquisas mais "imediatas e abrangentes" sobre a Covid-19

(Foto: NEXU Science Communication/via REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Pesquisadores da Universidade de Pequim e da Academia Chinesa de Ciências identificaram uma segunda cepa do novo coronavírus e garantem que essa mutação, identificada como tipo L, seja mais agressiva e esteja associada a 70% dos casos analisados, enquanto o da cepa S é menos virulento e teria causado os 30% restantes, informa Russia Today

Os cientistas enfatizaram também que a cepa L era "mais frequente nos estágios iniciais do surto" que ocorreu em Wuhan (Hubei, China), enquanto sua frequência "diminuiu após o início de janeiro".

Esses especialistas estimam que essa diminuição pode ser devida à "intervenção humana", quando as pessoas infectadas foram hospitalizadas e as áreas onde o coronavírus se espalhou rapidamente foram bloqueadas.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247