Colômbia vive escalada de assassinatos de líderes sociais

Pelo menos dois líderes sociais ou indígenas foram mortos durante as últimas 48 horas na Colômbia, o membro da comunidade indígena Henry Cayuy no município de Páez Belalcázar, em Cauca, e o líder Wayuu, José Manuel Pana Epieyú

Colômbia
Colômbia (Foto: Sputnik)

Telesur - Pelo menos dois líderes sociais ou indígenas foram mortos durante as últimas 48 horas na Colômbia, o membro da comunidade indígena Henry Cayuy no município de Páez Belalcázar, em Cauca, e o líder Wayuu, José Manuel Pana Epieyú. Cayuy foi assassinado na frente de sua esposa e filho, por dois motociclistas, na Reserva Vitoncó, uma área rural do município de Páez Belalcázar, a leste de Cauca.  

Segundo o Conselho Regional Indígena de Cauca (Cric), as autoridades indígenas da área investigam o caso para encontrar o paradeiro dos responsáveis.  

Pana, membro ativo do Conselho Autônomo Maior de Porta-vozes dos Direitos Humanos e autoridade tradicional de Karaquita, um abrigo étnico localizado na área rural de Maicao, foi interceptado na última sexta-feira, 13 de setembro, na estrada entre Maicao e Riohacha, La Guajira, e forçado a descer do veículo, foi morto a tiros alguns minutos depois.  

O líder indígena foi reconhecido pela comunidade como um grande líder com habilidades para a solução pacífica de conflitos através do diálogo e da fala, em meio à violência sofrida pela nação sul-americana.  

Pana havia denunciado na reunião internacional com delegados dos Direitos Humanos da União Europeia que os Wayuu estavam sendo exterminados pela corrupção sistemática do Estado e sofrendo a indiferença de seus líderes políticos.  

Segundo um policial envolvido na investigação do caso, "a família impediu que os atos urgentes desse caso fossem executados e o corpo foi levado por seus usos e costumes".  

Dada a escalada da violência nas áreas rurais da Colômbia, o comandante da polícia de La Guajira, coronel Henry Sandoval, instou a comunidade a buscar soluções pacíficas baseadas no diálogo para as diferenças e problemas que surgem entre as pessoas, para que os conflitos sejam reconciliados sem violência.  

Eles intimidam líderes sociais em Antioquia  Com panfletos, chamadas e mensagens do whatsapp, os líderes sociais de Antioquia são intimidados. Até agora este ano, 75 defensores denunciaram ameaças de morte contra eles, muitos se mudaram de seus territórios por razões de segurança.  Regiões como Bajo Cauca e Valle de Aburrá foram declaradas alvos militares por grupos ilegais, que disputam o controle do território e as rotas de tráfico de drogas. 

Segundo a Fundação Sumapaz, onze líderes sociais perderam a vida em eventos violentos este ano no departamento.  Óscar Yesid Zapata, porta-voz da ONG Nodo Antioquia, denunciou que a sistemicidade e a falta de garantias de segurança do governo colocam os "líderes sociais" em risco máximo. Ele reiterou que a maioria das ameaças está relacionada à substituição de culturas ilegais.

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247