Congresso da Bolívia adia eleições gerais em 90 dias, mas golpista Añez quer mais tempo

O Congresso da Bolívia aprovou uma lei que determina a realização de eleições gerais em até 90 dia. O prazo vencerá no início de agosto

Jeanine Anez
Jeanine Anez (Foto: REUTERS/Carlos Garcia Rawlins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Congresso da Bolívia aprovou uma lei que determina a realização de eleições gerais em até 90 dia. O prazo vencerá no início de agosto. O adiamento da data inicialmente programada se deve à pandemia do coronavírus.

A lei foi promulgada na quinta, 30, pela presidente do órgão legislativo, Eva Copa, pois a presidente interina do país, Jeanine Añez, recusou-se a sancioná-la, pois quer adiar a votação por mais tempo para ficar mais tempo no poder.

Ela assumiu após o golpe militar que derrubou o presidente eleito Evo Morales, em novembro de 2019, de forma transitória. Novas eleições deveriam acontecer no dia 3 de maio, neste domingo, mas decidiram adiar as eleições para daqui a um mês e meio.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]om.br

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247