Cúpula da Organização de Cooperação de Xangai faz avançar bloco regional estratégico

Neste final de semana, realiza-se na China, na cidade de Qingdao (foto) a 18ª reunião de cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (OCS); mais confiança mútua, cooperação e ganhos de todos é o que se destaca no compromisso chinês para o evento

Cúpula da Organização de Cooperação de Xangai faz avançar bloco regional estratégico
Cúpula da Organização de Cooperação de Xangai faz avançar bloco regional estratégico
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247, com Diário do Povo - Quando assumiu a presidência rotativa da Organização de Cooperação de Xanghai (OCX) em junho do ano passado, a China prometeu "melhores esforços para cumprir a tarefa, trabalhando com outras partes para dar ao povo um maior sentido de ganho e abrir um futuro mais promissor para a organização".

Presidida pelo líder chinês Xi Jinping, a cúpula da OCX instala-se com a expectativa de que seja um evento frutífero e um marco em seu desenvolvimento.

Os líderes vão emitir a Declaração de Qingdao e dar continuidade ao Espírito de Xanghai. Espera-se que mais de 10 acordos em diversas áreas de segurança, cooperação econômica e intercâmbios entre os povos sejam assinados.

A China, como membro fundador, compartilhou sua visão e sabedoria com outros membros. Xi participou das últimas cinco cúpulas da OCX em Bisqueque (Quirguistão), Duchambé (Tajiquistão), Ufa (Rússia), Tashkent (Uzbequistão) e Astana (Cazaquistão), e prestou um apoio consistente e forte ao desenvolvimento da OCX.

Durante o exercício da presidência rotativa na OCX, a China fortaleceu a confiança mútua, ampliou a cooperação e elevou a organização.

Um total de 160 atividades nos campos político, financeiro, comercial, de segurança, ambiental, agrícola e outros foram realizadas desde junho passado. Entre eles, fóruns para mulheres, partidos políticos, organizações de cultura e arte e cooperação hospitalar foram realizados pela primeira vez.

Com essas ações, a China mostra ao mundo que considera impulsionar o desenvolvimento da OCX uma das suas prioridades diplomáticas.

A China vê a OCX como uma plataforma para construir um novo tipo de relações internacionais, com características de respeito mútuo, justiça e cooperação de ganho recíproco, o que é forte contraste com a mentalidade de confronto e domínio da Guerra Fria.

O Espírito de Xanghai de confiança mútua, benefício recíproco, igualdade, consulta, respeito pelas mais diversas civilizações e busca pelo desenvolvimento comum é a base para uma próspera OCX.

A China defende uma comunidade de futuro compartilhado para a humanidade e propõe o princípio de consulta extensiva, contribuição conjunta e benefícios compartilhados. Essas visões diplomáticas ajudaram no desenvolvimento da OCX.

Em 2001, o volume comercial entre a China e os outros membros da OCX era de apenas US$ 12,1 bilhões. De 2013 a 2017, a China importou um valor surpreendente de US$ 340 bilhões de produtos de outros países membros. O investimento direto de empresas chinesas nessas nações totalizou US$ 15 bilhões.

Desde sua fundação há 17 anos, as agendas da OCX se expandiram para abranger segurança, cooperação econômica, intercâmbio pessoal e outras áreas. A entrada da Índia e do Paquistão no ano passado mostra o crescente valor estratégico e o apelo da OCX.

Para melhorar a coesão e a confiança mútua entre os antigos e novos membros, a China buscou o consenso, facilitou o diálogo e promoveu o desenvolvimento sólido e estável da OCX, que representa quase metade da população mundial e mais de 20% do PIB global.

A China trabalhará com os demais membros para tornar a cúpula de Qingdao um marco no desenvolvimento da OCX, além de lançar esse novo tipo de organização regional em uma nova era.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247