De la Rúa é absolvido da acusação de suborno

O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa foi absolvido da acusação de ter subornado senadores para a aprovação da Lei de Reforma Trabalhista, em abril de 2000

O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa foi absolvido da acusação de ter subornado senadores para a aprovação da Lei de Reforma Trabalhista, em abril de 2000
O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa foi absolvido da acusação de ter subornado senadores para a aprovação da Lei de Reforma Trabalhista, em abril de 2000 (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil*

Brasília – O ex-presidente argentino Fernando de la Rúa foi absolvido da acusação de ter subornado senadores para a aprovação da Lei de Reforma Trabalhista, em abril de 2000.

Foram também absolvidos o ex-secretário de Inteligência Fernando de Santibañes; o ex-ministro do Trabalho Alberto Flamarique e o secretário Administrativo Mario Pontaquarto, que fez a denúncia; além dos ex-senadores Augusto Alasino, Remo Constanzo, Alberto Tell e Ricardo Branda.

Após ouvir 300 testemunhas durante 14 meses, os juízes do Tribunal Oral Federal 3 afirmaram que a denúncia não existiu, assim como não ocorreu também reunião na Casa de Governo em que de La Rúa autorizara o pagamento.

A acusação apontava um montante de US$ 5 milhões gastos em subornos e pedia pena de seis anos de prisão, além do fim dos direitos de exercer cargos públicos.

Fernando de la Rúa renunciou ao poder em dezembro de 2001 durante uma crise econômica interna e várias manifestações de protesto contra seu governo.

* Com informações da agência Telam

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247