Descartar negociações militares EUA-China aprofunda risco em momento perigoso, dizem analistas e autoridades estadunidenses

Na sexta-feira (5), a China cancelou as negociações formais envolvendo comandos em nível de teatro de operações, coordenação de política de defesa e consultas marítimas militares

www.brasil247.com - Presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, e os presidentes Tsai Ing-Wen (Taiwan) e  Xi Jinping (China)
Presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, e os presidentes Tsai Ing-Wen (Taiwan) e Xi Jinping (China) (Foto: Reuters)


247 - O corte da China de alguns laços de comunicação com os militares dos EUA aumenta o risco de uma escalada acidental de tensão sobre Taiwan em um momento crítico, segundo analistas de segurança, diplomatas e autoridades dos EUA. 

Nesta sexta-feira (5), a China cancelou as negociações formais envolvendo comandos em nível de teatro de operações, coordenação de política de defesa e consultas marítimas militares, como parte de sua retaliação contra a visita da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan nesta semana.

Em um editorial no sábado, o jornal Diário do Povo do Partido Comunista descreveu a resposta, juntamente com sanções contra Pelosi e sua família, como "medidas eficazes que demonstram plenamente que a China é totalmente determinada e capaz de salvaguardar a unidade nacional e salvaguardar ... integridade territorial".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Christopher Twomey, um estudioso de segurança da Escola de Pós-Graduação Naval dos EUA, na Califórnia, disse à Reuters que o corte dos links de comunicação era preocupante, chegando ao que ele acreditava ser o início de uma nova crise em Taiwan.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Esse aumento da densidade de forças, no contexto de uma crise cada vez mais intensa, aumenta a perspectiva de uma escalada inadvertida que nenhum dos lados deseja", disse Twomey, falando em caráter privado.

"Esse é precisamente o momento em que você gostaria de ter mais oportunidades de conversar com o outro lado ... Perder esses canais reduz muito a capacidade dos dois lados de impedir o conflito com as forças militares à medida que vários exercícios e operações continuam".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto navios de guerra, caças e drones chineses manobram em torno de Taiwan, pelo menos quatro poderosos navios dos EUA, incluindo o porta-aviões USS Ronald Reagan, o navio de assalto anfíbio USS Tripoli e o cruzador de mísseis guiados USS Antietam estão a leste de Taiwan, confirmou a Reuters.

Bonnie Glaser, analista de segurança com sede em Washington do German Marshall Fund dos Estados Unidos, disse que, de maneira mais ampla, as perspectivas são "extremamente baixas para conversas sobre medidas de redução de risco ou estabilidade". 

Com o tempo, ela disse esperar que as negociações específicas canceladas nesta semana sejam retomadas, mas "neste momento, a China precisa sinalizar dureza e determinação".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma autoridade dos EUA, falando sob condição de anonimato, disse que as autoridades chinesas não responderam às ligações de altos funcionários do Pentágono nesta semana, mas isso foi visto como a China mostrando descontentamento com a viagem de Pelosi, em vez de cortar o canal entre altos funcionários da defesa, incluindo a Defesa dos EUA. Secretário Lloyd Austin.

Austin pressionou por uma melhor comunicação entre as forças rivais quando se encontrou com o ministro da Defesa chinês, general Wei Fenghe, à margem da reunião de segurança do Diálogo Shangri-la em Cingapura em junho.

Tanto diplomatas asiáticos quanto ocidentais disseram que os chefes militares dos EUA vêm pressionando há algum tempo por conversas mais frequentes de comando em nível de teatro de operações, dadas as crescentes implantações da China na Ásia, onde a marinha dos EUA tem sido tradicionalmente a potência dominante.

O Pentágono disse na sexta-feira que a China estava exagerando e os Estados Unidos ainda estavam abertos para construir mecanismos de comunicação de crise. 

"Parte dessa reação exagerada limitou estritamente seus compromissos de defesa quando qualquer Estado responsável reconheceria que nós mais precisamos deles agora", disse o porta-voz interino do Pentágono, Todd Breasseale.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email