Protestos contra pacote neoliberal lotam as ruas do Equador

Apesar de uma severa repressão policial, manifestantes inundaram as ruas de Quito na terça-feira para protestar contra medidas de austeridade impostas pelo governo e um aumento acentuado nos preços dos combustíveis. Veja a entrevista com o professor de direito da PUC de Quito

(Foto: Reuters/Ivan Alvarado)

Do Democracy Now Brasil - Espera-se que dezenas de milhares de pessoas, guiadas por líderes indígenas, façam novamente com que o Equador pare hoje (9) em meio a protestos maciços contra o governo.

Apesar de uma severa repressão policial, manifestantes inundaram as ruas de Quito na terça-feira para protestar contra medidas de austeridade impostas pelo governo e um aumento acentuado nos preços dos combustíveis.

A agitação civil cresce desde que o presidente Lenín Moreno encerrou um programa de subsídios de décadas na semana passada, como parte de um plano de reforma imposto pelo Fundo Monetário Internacional depois que o Equador tomou um empréstimo de US $ 4,2 bilhões do FMI no início deste ano.

Centenas de pessoas foram presas quando o governo reprimiu os manifestantes e a mídia. As manifestações em massa de terça-feira acontecem um dia depois que Moreno disse que estava transferindo temporariamente as operações do governo de Quito para a cidade de Guayaquil, no sul.

Vamos a Quito conversar com David Cordero Heredia, professor de direito na Pontifícia Universidade Católica. Ele é um dos advogados que representam os manifestantes que foram detidos nesta última rodada de protestos.

Veja a entrevista com o professor de direito da PUC de Quito ao Democracy Now:

Conheça a TV 247

Mais de Mundo

Ao vivo na TV 247 Youtube 247