Rússia proíbe fornecimento de petróleo a países que fixaram teto de preço para petróleo

A fixação do teto para o petróleo russo foi introduzida pelo G-7, União Europeia e Austrália em dezembro do ano passado

www.brasil247.com -
(Foto: Aleksei Danichev/Sputnik)


Sputnik - Nesta segunda-feira (30) o governo da Rússia publicou um procedimento para cumprir o decreto do presidente Vladimir Putin, proibindo o fornecimento de petróleo aos países que fixaram o teto de preço para o petróleo russo.

A fixação do teto para o petróleo russo foi introduzida pelo G-7, União Europeia e Austrália no dia 5 de dezembro de 2022.

O documento, firmado pelo primeiro-ministro, Mikhail Mishustin, tem como objetivo estabelecer até o dia 1º de março de 2023 como será realizado o monitoramento dos preços do petróleo russo destinado à exportação.

Por sua vez, as empresas exportadoras russas terão de fornecer mensalmente a informação sobre os contratos firmados e os preços que constam nestes.

Além disso, terão de monitorar se não foi aplicado um teto de preço até o comprador final.

No decreto de Putin, que entrará em vigor nesta quarta-feira (1º/2), e permanecerá vigente até 1º de julho, foi estabelecido, entre outras disposições, que as entregas do petróleo e dos produtos petrolíferos russos, que foram proibidos sob o decreto, possam ser autorizadas com uma permissão especial do líder russo.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247