Santana guia Maduro pela emoção sem limites

Brasileiro João Santana, que comandou comunicação na última eleição de Hugo Chávez, na Venezuela, imprime tom que faz chorar à campanha presidencial de Nicolás Maduro; com slogans como 'Com Chávez e Maduro, o povo está seguro', ele conduz o marketing político como se o líder estivesse vivo; favoritismo aumenta

Santana guia Maduro pela emoção sem limites
Santana guia Maduro pela emoção sem limites
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Um V unindo as palavras Chávez e Vitória, sobre as cores oficiais azul, amarelo e vermelho da Venezuela foi uma das marcas utilizadas na última campanha presidencial de Hugo Chávez, no ano passado. Mais acirrada das quatro que eleições que ele venceu, o marketing chavista teve o comando criativo do brasileiro João Santana, titular das campanhas do PT, da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Lula. Agora, quando já estão marcadas para 14 de abril, as novas eleições presidenciais, outra vez Santana já se encarrega de unir signos vitoriosos ao candidato de continuidade Nicolás Maduro e ao vice Jorge Areaza, cunhado do próprio Chávez.

Oficialmente, a campanha vai durar entre os 2 e 12 de abril, nos moldes das eleições brasileiras, com inserções de propaganda partidária na televisão. Como é do seu feitio, Santana posiciona a campanha no plano mais emocional possível, lançando mão de todos os elementos da figura de Chávez "avô, pai e irmão" do povo venezuelano para fazer muita gente chorar, e dar o voto a Maduro. As eleições municipais marcadas para junho estão suspensas até segunda ordem.

O atual presidente, apontado por Chávez como seu sucessor, está cumprindo à risca, e com improvisos de talento, o papel de seguidor do líder morto. De saída, acentuando o tom ao mesmo tempo dramático e sinistro da morte de Chávez, ele jogou a responsabilidade pelo câncer fatal no colo do presidente americano Barack Obama, sem citá-lo. Bastou, para isso, dizer, com todas as letras, que o presidente venezuelano fora vítima de uma espécie de envenenamento de efeito retardado praticado pelos americanos. Isso ocorreu no discurso pela televisão no qual Maduro anunciou que Chávez estava morto, na terça-feira 5. Simultaneamente, como se fora o próprio Chávez em seus áureos tempos de coronel durão, mandou expulsar o adido militar americano da Venezuela. Passou o recado de ser anti-imperialista como o antecessor.

Daí para a frente, o que se viu foi uma utilização política sem precedentes da comoção nacional provocada pela notícia, ampliando-a. O velório de Chávez foi aumentado de uma para duas semanas, e o presidente Maduro anunciou que o corpo do "comandante" será embalsamo e poderá ser visto permanentemente numa cúpula de cristal. Dali, pode-se dizer que Chávez presidirá as próximas eleições, nas quais Maduro pode alcançar um resultado sem precedentes sobre a oposição, afogando-a sobre o mar de lágrimas da população.

Cabe a João Santana, desde já, alimentar esse clima de amor e paixão com reciprocidade eleitoral. Slogans como "Com Chávez e Maduro, o povo está seguro", como se o presidente morto ainda estivesse vivo, já estão na boca da população. Também se escuta o "Chávez somos nós", que não deixa a peteca do chavismo cair. Vai ser assim até o dia da eleição e, pelo empuxo, durante todo o governo Maduro. Quanto mais se associa ao por enquanto eterno presidente venezuelano, no entanto, mais responsabilidades com a assistência à população Maduro vai somando sobre seus ombros. O marketing perfeitamente concebido e executado até agora terá de se transformar em ação política e econômica concretas. Só então se saberá se o atual presidente interino, favoritíssimo às próximas eleições, estará à altura do legado que, por suas palavras somadas ao talento multiplicador do brasileiro Santana, ele colou em si mesmo.

Abaixo, notícias de Caracas da enviada especial do portal Opera Mundi, Marina Terra:

Opera Mundi _ Marina Terra | Enviada especial a Caracas

"Com Chávez e Maduro, o povo está seguro": venezuelanos dão adeus ao presidente

Multidão fez fila no Paseo de los Próceres, em Caracas, para se despedir de Hugo Chávez, morto nesta semana

"Chávez não sou eu, Chávez é um povo", costumava repetir o presidente, falecido nesta semana após longa batalha contra o câncer. O que era uma frase, complementada depois por seus simpatizantes pelo slogan "Chávez somos nós", se tornou realidade nas ruas de Caracas desde a terça-feira (05/03), quando foi anunciada a morte do líder venezuelano. Nos arredores da Academia Militar, onde está sendo velado o corpo de Chávez, um aluvião de gente, bastante emocionada, dá seu adeus ao "avô, pai, irmão", como afirmam aqueles que esperam por mais de 10 horas na fila sob o sol escaldante de Caracas.

"Com Chávez e Maduro, o povo está seguro" é o novo ditado, repetido à exaustão pelos venezuelanos que seguiram até o Paseo de Los Próceres vindos das mais diversas partes do país. O agora presidente interino, Nicolás Maduro, foi indicado como candidato do chavismo em caso de nova eleição pelo presidente antes da partida para Havana, em 8 de dezembro do ano passado.

"As pessoas atendem ao seu chamado [de Chávez]. Sobretudo à ordem sobre Nicolás Maduro", afirma o militar aposentado Alipio Paredes, de 86 anos. Bastante emocionado, ele confessa estar impressionado com a quantidade de gente que foi se despedir de Chávez. "É bonito ver como as pessoas respondem a um homem que desapareceu. Há uma herança muito bela."

E, em meio à expectativa pelo pleito, que deve ser realizado em breve, os venezuelanos se dedicam a preparar uma homenagem inesquecível a Chávez. Nas filas, que culminam no caixão do presidente falecido, jovens, crianças, idosos e cadeirantes se espremem, sem sombra ou descanso.

"Se estou cansada? Muito pelo contrário. Sinto-me viva, com alegria. Não temos mais o presidente fisicamente, mas sim sua força, sua luta, sua história. Mesmo se eu passar um mês nessa fila, o sacrifício não chegará nem perto do dele por nós. Chávez é um sentimento", diz a aposentada Maria Flores, de 56 anos, enquanto abre um sorriso.

Apesar das lágrimas, a maioria daqueles que esperam enfileirados transparece o mesmo estado de espírito de Maria. Por diversas vezes gargalham, gritam e cantam. Ao longo do extenso percurso até o edifício onde está sendo realizada a cerimônia fúnebre, caixas de som reproduzem músicas da campanha para as presidenciais de outubro de 2012, além de composições do já falecido artista venezuelano Ali Primera, bastante celebrado por Chávez e pelo resto do país por ter escrito nos anos 1970 e 1980 canções com forte conteúdo social e político.

"Canta, canta companheiro", cantam a primeira estrofe de "Los que Mueren por la Vida", de Primera, os seguidores do presidente enquanto enxugam o suor e as lágrimas. Alguns metros à frente, Mariela Gomes, de 62 anos, olha para o céu enquanto se despede do líder venezuelano. "Um presidente como você nunca mais existirá. Chávez, te tenho no coração. Você não morreu. Você está conosco. Seu espírito será elevado ao céu, Chávez", grita, com as mãos para cima.

A multidão se aglutina próximo à Universidade da Polícia Bolivariana, localizada no mesmo Paseo de los Próceres. Ali, a confusão cresce com a proximidade do edifício onde está o presidente. "Queremos ver Chávez! Queremos ver Chávez", exclamam com os punhos para o alto, preocupadas com a possibilidade de não o verem, apesar de terem chegado tão longe.

"Há muita desorganização, ninguém aqui sabe se realmente vai chegar até a academia. Mas também, essa desordem, essa comoção toda, eram esperados. Morreu Chávez, carajo", desabafa Miguel Rodríguez, de 26 anos, professor do ensino primário. "Vim dar meu adeus, mas também lhe jurar que seguirei semeando o que ele plantou na Venezuela. Chávez pariu outra pátria", fala, parafraseando outra canção de Primera, "La Patria es el Hombre".

Milhares se juntam aos já milhões que esperam sua vez de se despedir. Aqueles que já conseguiram ver o rosto do presidente, contam aos compatriotas, em êxtase, que Chávez "está bonito, do mesmo jeito em que apareceu na foto com as duas filhas mais velhas". Outros relatam um ar de serenidade, calma, no semblante do líder da Revolução Bolivariana. "Seu corpo está lá, mas nós seguimos aqui. Chávez se multiplicou, minha filha", afirma às lágrimas Manuela Bastos, de 90 anos, enquanto é empurrada na cadeira de rodas pelo esposo, Jorge, de 92.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247