Após flertar com Serra, Freire cogita Presidência

Presidente nacional do PPS, o deputado Roberto Freire diz que ainda é cedo para definir nomes para a disputa pela Presidência em 2014, mas, após flertar com o ex-governador José Serra, diz que poderia, ele mesmo, entrar na concorrência. Em entrevista publicada em seu site, o deputado elogia o senador Aécio Neves (PSDB-MG), mas diz que os tucanos poderiam ser mais "contundentes" na oposição; ele também não poupa críticas a Lula e à presidente Dilma Rousseff; Freire teria seu voto?

Após flertar com Serra, Freire cogita Presidência
Após flertar com Serra, Freire cogita Presidência
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a disputa pela Presidência em 2014 ainda em aberto, o presidente nacional do PPS, deputado federal Roberto Freire, tratou de discretamente sugerir seu nome entre os pleiteantes ao Palácio do Planalto. Candidato à Presidência em 1989, Freire considera muito cedo para tratar da eleição de 2014, mas, questionado sobre se "poderia entrar na disputa", respondeu que sim.

A entrevista foi publicada nesta segunda-feira no site do deputado (leia aqui), e surge após um período de flerte público do socialista com o ex-governador José Serra, que, por falta de espaço, estaria pensando em deixar o PSDB -- Serra teria desmentido essa possibilidade a amigos (relembre). Ao 247, Freire chegou a dizer que "a esquerda quer Serra e (a ex-ministra) Marina" Silva, demonstrando o interesse em atrair ambos para o PPS.

Na entrevista publicada em seu site, o deputado elogia o senador Aécio Neves (PSBD-MG), maior responsável pela perda de espaço de Serra no PSDB, mas cobra uma oposição mais contundente dos tucanos. Oposição que ele reforça ao responder perguntas sobre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula: "Somos contra o governo incompetente e corrupto de Lula e Dilma". Leia trechos (ou a íntegra aqui):

O PPS é o partido mais crítico ao PT no cenário nacional. Mas, em Vitória, o prefeito Luciano assumiu trocando elogios a João Coser (PT). Não é contraditório?
Não. A crítica ao PT não é ao partido como instituição, é ao PT como governo. E o governo federal do PT evidentemente seria um desastre se tivesse sido do mesmo tipo em Vitória. Pelo menos é isso que Luciano atestou: que foi um governo que abriu as portas para uma boa transição. Foi esse o elogio que ele fez. Tem que ficar bem claro que não somos um partido anti-PT. Somos contra o governo incompetente e corrupto de Lula e Dilma. Em relação a Coser não temos o mesmo conceito. Foi isso que Luciano demonstrou, que ele teve transparência na transição. O PPS é contra o governo incompetente, corrupto, Lula-Dilma.

Como o PPS fica em 2014, já que o partido tem sido um aliado do PSDB, mas o PSB pode entrar no páreo da disputa presidencial com Eduardo Campos?
O PPS trabalha com vários outros cenários além desses dois. E o partido não vai decidir isso agora. É precipitação imaginar que as coisas serão decididas agora. A situação de Eduardo Campos, por exemplo, ainda não está definida se ele será candidato. É evidente que o PPS só passa a admitir e analisá-lo como candidato se ele efetivamente se apresentar como alternativa ao governo federal que aí está. Um outro cenário é o da candidatura própria do PPS, alguns falam no meu nome. Mas é evidente que estamos no início da discussão. Esse é um dos cenários.

O senhor poderia entrar na disputa?
Sim. Mas como disse, ainda é muito cedo.

O senhor avalia que o senador Aécio Neves precisa assumir uma postura mais crítica ao governo federal e participar mais do debate nacional para entrar na disputa presidencial?
O Aécio foi muito bom governador de Minas Gerais. É um democrata. Tem competência para ser presidente da República. Quanto à atuação neste momento, em geral, o PSDB poderia ser uma oposição mais contundente, até porque a incompetência do governo e os níveis de corrupção são grandes demais para que se faça uma oposição um tanto quanto não aguerrida.

Alguns integrantes do PPS avaliam que o PSDB não faz uma oposição consistente e não tem um projeto alternativo para o país. Qual sua opinião sobre o desempenho dos tucanos?
Há um certo sentimento de indignação muito forte em relação particularmente à corrupção no governo Lula e Dilma que grande parte da opinião pública reclama muito da oposição. É um certo voluntarismo imaginar que a oposição pode fazer muito mais do que está fazendo. Então, há esse sentimento. Mas não é bem verdadeiro. Diria, por exemplo, que o PSDB faz uma boa oposição, mas poderia ser melhor. Poderia ser muito mais contundente, por exemplo, na denúncia da incompetência total do governo na gestão econômica. Isso já vem desde Lula. Piorou agora com Dilma.

Qual é a sua avaliação sobre a postura da oposição nacional hoje, incluindo aí o PPS, ao governo Dilma? Está faltando mais firmeza?
Em alguns aspectos na crítica econômica, o PSDB é um pouco mais crítico. Precisaríamos disso. Do ponto de vista geral, não. Lula, por exemplo, é hoje um cidadão acuado, com medo da imprensa. Tem haver com a atitude também da oposição, que cobra que ele esclareça todas as denúncias em relação a sua participação no mensalão, no Rosegate. A oposição tem cumprido aí o seu papel. Poderia ser melhor, há algumas falhas nessa questão da crítica econômica, mas de maneira geral tem cumprido. Tanto é verdade que o governo e Lula estão sentindo. E repito: Lula tem fugido da imprensa. Por quê? É só por conta do medo da imprensa ou pela atuação da oposição de cobrar. Estamos hoje (quarta-feira), inclusive, cobrando do Ministério Público que a Rosemary (Noronha) seja efetivamente investigada.

Como viu o resultado do julgamento do mensalão e as penas aplicadas a petistas?
O julgamento do Supremo Tribunal Federal já mudou efetivamente a cultura política brasileira, pelo menos no tocante de que poderosos estão acima da lei. Demonstrou que o Brasil avança no processo democrático, apesar de também termos visto, por outro lado, uma reação do PT até um tanto quanto sediciosa de tentativa de desmoralizar as instituições e os poderes da República. Mas houve um avanço. No geral estamos tendo um saldo positivo dessa atitude do Supremo no julgamento do mensalão de Lula, que teve esse aspecto punitivo. Quanto à questão das penas, aí a discussão é infindável, se foi insuficiente se não foi. Mas o importante é que houve a pena e que ela seja cumprida.

Lula deve ser investigado pelas novas denúncias feitas por Marcos Valério, que o acusou de saber do mensalão e ser o chefe do esquema?
Claro. É preciso entender que a denúncia não é a comprovação da culpa ou do dolo. A denúncia é a notícia de que houve um crime e precisa-se investigar para saber quem é o responsável. Quem deveria, inclusive, pedir a investigação é o próprio Lula e não nós da oposição. Aí dizem que ele (Valério) é um desqualificado. Até há bem pouco tempo ele era um homem de confiança e operacional, inclusive, daqueles interesses que o mensalão envolvia e dos interesses do próprio Lula, e ele está denunciando. Não é aceitar a denúncia tal como foi feita e responsabilizar Lula. Mas é investigar para até não responsabilizá-lo. E não é só a denúncia de Valério. Agora há a questão muito grave de Rosemary Noronha. A moça que trabalhou como secretária e que é amiga dele. Há um envolvimento claro, denunciado inclusive por um ex-vice-presidente do Banco do Brasil, de que ela era um pião importante junto à Presidência da República de interesses escusos e ilícitos praticados nesses bancos e em outras instituições e departamentos do governo. Essa moça vivia viajando com ele (Lula), inclusive clandestina. Isso só já basta para mostrar que algo de incorreto existia nessa relação.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email