Carlos Bolsonaro interfere em licitação de aparelho de espionagem e abre crise com cúpula militar

Vereador Carlos Bolsonaro fez articulações junto ao ministro da Justiça, Anderson Torres, para excluir o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da licitação para a aquisição de uma ferramenta de espionagem. Órgãos como o GSI e a Abin ficaram de fora das negociações, o que foi visto por interlocutores como uma tentativa de diminuir o poder dos militares no governo

www.brasil247.com - Vereador Carlos Bolsonaro
Vereador Carlos Bolsonaro (Foto: Renan Olaz/CMRJ | Reprodução)


247 - O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) fez articulações junto ao novo ministro da Justiça, Anderson Torres, para excluir o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da licitação, de R$ 25,4 milhões, para a aquisição de uma ferramenta de espionagem. Interlocutores viram na iniciativa do parlamentar uma tentativa de diminuir o poder dos militares no governo Jair Bolsonaro. Órgãos oficiais de investigação que seriam beneficiados diretamente pela ferramenta, como o GSI e a Agência Brasileira de Informações (Abin), ficaram de fora das negociações. 

O edital de licitação é o de nº 03/21, do Ministério da Justiça, etá previsto para acontecer nesta quarta-feira (19). O objetivo é contratar o programa de espionagem Pegasus, desenvolvido pela empresa israelense NSO Group.

Em entrevista ao portal Uol, que publicou as informações sobre as tratativas, o o advogado Renato Ribeiro de Almeida, doutor em direito pela Universidade de São Paulo (USP), disse ver uma postura "inadequada" de Carlos Bolsonaro por não compor o quadro funcional da administração federal. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

"Não é republicano pelo simples fato de ser filho do presidente, estar em reuniões estratégicas do governo. E a questão é ainda mais séria, quando se avalia a possibilidade de entrega de dados de brasileiros a empresas internacionais", afirmou.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

De acordo com o docente, membro da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político, ato do parlamentar pode ser interpretado como "um ato de lobby", ainda não regulamentado no Brasil. "Nada mais é que uma interferência de um particular em atos do governo", complementou.

O software funciona por meio de licenças, que são direitos individuais de acesso. Das 249 licenças previstas no contrato, o ministro Anderson Torres terá sob sua influência 155, que também deverão ser compartilhadas com Carlos Bolsonaro. Do total, 100 ficarão com a PF e 40 irão para a Secretaria da Segurança Pública de Brasília. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

As outras 15 permissões serão destinadas ao Corpo Bombeiros e às polícias Civil e Militar do Distrito Federal. As autorizações restantes serão disponibilizadas ao BC (Banco Central), ao MPF (Ministério Público Federal) e a órgãos de 13 Estados.

Em nota, o Ministério da Justiça e Segurança Pública afirmou que o processo de licitação visa a "aquisição de ferramenta de busca e consulta de dados em fontes abertas para ser usado, pelo ministério e órgãos de segurança pública, nos trabalhos de enfrentamento ao crime organizado". 

A pasta afirmou que "a referida licitação não tem nenhuma relação com o sistema Pegasus".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Inscreva-se no canal Cortes 247 e saiba mais:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email