Chapa Lula-Alckmin lança diretrizes de governo, com revogação da reforma trabalhista e estatais como motores de crescimento

Documento fala também em revogar o teto de gastos, propor uma reforma tributária "solidária, justa e sustentável" e "proteger o patrimônio do país". Leia a íntegra

www.brasil247.com - Lula durante debate de propostas para o Meio Ambiente e Amazônia
Lula durante debate de propostas para o Meio Ambiente e Amazônia (Foto: Ricardo Stuckert)


247 - A chapa para a Presidência da República formada pelo ex-presidente Lula (PT) e pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSB) apresentou nesta segunda-feira (6), segundo o jornal O Globo, as diretrizes para a elaboração de um programa de governo.

O documento, com 17 páginas e 90 itens, trata, por exemplo, da necessidade de revogação da reforma trabalhista e cita as estatais brasileiras como instrumentos para o desenvolvimento econômico do país.

O texto foi enviado aos sete partidos que compõe a aliança em torno da chapa Lula-Alckmin: PT, PCdoB, Psol, PV, PSB, Rede e Solidariedade. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O trabalho estará no centro de nosso projeto de desenvolvimento. Defendemos a revogação da reforma trabalhista feita no governo Temer e a construção de uma nova legislação trabalhista, a partir da negociação tripartite, que proteja os trabalhadores, recomponha direitos, fortaleça os sindicatos sem a volta do imposto sindical, construa um novo sistema de negociação coletiva e dê especial atenção aos trabalhadores informais e de aplicativos”, diz um dos itens do documento.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Uma das diretrizes menciona a revogação do teto de gastos. “Vamos recolocar os pobres e os trabalhadores no orçamento. Para isso, é preciso revogar o teto de gastos e rever o atual regime fiscal brasileiro, que é disfuncional e perdeu totalmente sua credibilidade".

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O documento ainda estabelece contrariedade à privatização da Petrobrás, Eletrobras e Correios. “Será necessário proteger o patrimônio do país e recompor o papel indutor e coordenador do Estado e das empresas estatais para que cumpram, com agilidade e dinamismo, seu papel no processo de desenvolvimento econômico e progresso social do país.”

O programa de governo também deverá defender maior tributação dos super-ricos. “Proporemos uma reforma tributária solidária, justa e sustentável, que simplifique tributos e distribua renda. Essa reforma será construída na perspectiva do desenvolvimento, ‘simplificando’ e reduzindo a tributação do consumo, corrigindo a injustiça tributária ao elevar a taxação de renda sobre os muito ricos, preservando o financiamento do Estado de bem-estar social, restaurando o equilíbrio federativo, contemplando a transição para uma economia ecologicamente sustentável e aperfeiçoando a tributação sobre o comércio internacional. Queremos também corrigir um mecanismo que historicamente transfere renda das camadas mais pobres para as camadas de maior renda da sociedade: a sonegação de impostos". 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Sobre a política cambial o documento diz: “reduzir a volatilidade da moeda brasileira por meio da política cambial também é uma forma de amenizar os impactos inflacionários de mudanças no cenário externo. A orientação passiva para a política cambial dos últimos anos acentuou a volatilidade da moeda brasileira em relação ao dólar com consequências perversas para o índice de preços".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email