Eduardo Cunha pode ser abandonado por todos os seus advogados

A ofensiva do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha  contra o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, abriu uma crise entre o deputado cassado e sua equipe de defesa: todos os advogados que representam o ex-deputado ameaçaram abandoná-lo; o criminalista Rodrigo Rios foi o único que, de fato, oficializou a desvinculação; os demais permaneceram, após um apelo da família do peemedebista: a ofensiva de Cunha –que acusou Fachin de favorecer a JBS– foi vista como um “tiro na cabeça”

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é escoltado por policiais federais em Curitiba 20/10/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é escoltado por policiais federais em Curitiba 20/10/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de partir para o enfrentamento e fazer acusações ao relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Edson Fachin, abriu uma crise entre o peemedebista e os diversos escritórios que fazem sua defesa na Lava Jato. Todos os advogados que representam o ex-deputado ameaçaram abandoná-lo. O criminalista Rodrigo Rios foi o único que, de fato, oficializou a desvinculação. Os demais permaneceram, após um apelo da família do peemedebista.

A ofensiva de Cunha –que acusou Fachin de favorecer a JBS– foi vista como um “tiro na cabeça”. Aliados do peemedebista lembram que há forte espírito de corpo no STF e que a pressão sobre o ministro deve ter o efeito oposto ao desejado pelo ex-deputado.

Ex-presidente da Câmara, Cunha viu naufragar nas últimas semanas sua tentativa de fechar delação com a PGR — ao menos sob o mandato de Rodrigo Janot. Ele tem insinuado que fará nova oferta quando Raquel Dodge assumir a Procuradoria. Esqueceu-se, porém, de que caberá a Fachin homologar eventual acordo.

As informações são da coluna Painel da Folha de S.Paulo.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247