Eduardo Cunha pode ser abandonado por todos os seus advogados

A ofensiva do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha  contra o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo, abriu uma crise entre o deputado cassado e sua equipe de defesa: todos os advogados que representam o ex-deputado ameaçaram abandoná-lo; o criminalista Rodrigo Rios foi o único que, de fato, oficializou a desvinculação; os demais permaneceram, após um apelo da família do peemedebista: a ofensiva de Cunha –que acusou Fachin de favorecer a JBS– foi vista como um “tiro na cabeça”

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é escoltado por policiais federais em Curitiba 20/10/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer
Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, é escoltado por policiais federais em Curitiba 20/10/2016 REUTERS/Rodolfo Buhrer (Foto: Giuliana Miranda)

247 - A decisão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) de partir para o enfrentamento e fazer acusações ao relator da Lava Jato no Supremo, o ministro Edson Fachin, abriu uma crise entre o peemedebista e os diversos escritórios que fazem sua defesa na Lava Jato. Todos os advogados que representam o ex-deputado ameaçaram abandoná-lo. O criminalista Rodrigo Rios foi o único que, de fato, oficializou a desvinculação. Os demais permaneceram, após um apelo da família do peemedebista.

A ofensiva de Cunha –que acusou Fachin de favorecer a JBS– foi vista como um “tiro na cabeça”. Aliados do peemedebista lembram que há forte espírito de corpo no STF e que a pressão sobre o ministro deve ter o efeito oposto ao desejado pelo ex-deputado.

Ex-presidente da Câmara, Cunha viu naufragar nas últimas semanas sua tentativa de fechar delação com a PGR — ao menos sob o mandato de Rodrigo Janot. Ele tem insinuado que fará nova oferta quando Raquel Dodge assumir a Procuradoria. Esqueceu-se, porém, de que caberá a Fachin homologar eventual acordo.

As informações são da coluna Painel da Folha de S.Paulo.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247