Justiça suspende reabertura no Distrito Federal por "ausência de respaldo científico"

A medida de suspensão vale até que o governo do DF "apresente estudos técnicos e científicos de profissionais da área de saúde pública que respaldem as medidas de flexibilização do isolamento e distanciamento social"

Ibaneis Rocha
Ibaneis Rocha (Foto: Renato Alves/Agência Brasília)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O juiz Daniel Eduardo Branco Carnachioni concedeu liminar nesta quarta-feira (8) suspendendo o decreto do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, que determinava a reabertura de academias, salões de beleza, bares e restaurantes e escolas.

A medida vale até que o governo do DF "apresente estudos técnicos e científicos de profissionais da área de saúde pública que respaldem as medidas de flexibilização do isolamento e distanciamento social". O magistrado aguarda também que Ibaneis edite outro decreto suspendendo o primeiro.

A decisão é pela "ausência de respaldo técnico e científico capaz de justificar a flexibilização acentuada do isolamento e distanciamento social". "Em todos os países do mundo que foram bem sucedidos no controle desta grave pandemia, as únicas medidas eficientes capazes de conter a proliferação do vírus foram o isolamento e o distanciamento social", diz outro trecho.

A ação que resultou no ato do magistrado foi movida pelo advogado Marivaldo Pereira, o jornalista Hélio Doyle, o cientista político Leandro Couto e o integrante do Conselho de Saúde Rubens Bias Pinto.

A Procuradoria-Geral do DF disse que vai recorrer.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email