‘Cabral culpar lei do pré-sal por desastre do Rio só comprova sua falta de caráter’

Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, afirma que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, "continuou fazendo o que é sua especialidade: trair"; e destaca que "nunca antes na história deste país o Estado recebeu tantos recursos federais. E com isso [Cabral] reelegeu-se e elegeu Pezão"; para Brito, "Cabral, que andava oculto depois de deixar o governo sem condições de, como queria, eleger-se senador, fareja no ar uma possibilidade de voltar à cena política"

Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, afirma que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, "continuou fazendo o que é sua especialidade: trair"; e destaca que "nunca antes na história deste país o Estado recebeu tantos recursos federais. E com isso [Cabral] reelegeu-se e elegeu Pezão"; para Brito, "Cabral, que andava oculto depois de deixar o governo sem condições de, como queria, eleger-se senador, fareja no ar uma possibilidade de voltar à cena política"
Jornalista Fernando Brito, do Tijolaço, afirma que o ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, "continuou fazendo o que é sua especialidade: trair"; e destaca que "nunca antes na história deste país o Estado recebeu tantos recursos federais. E com isso [Cabral] reelegeu-se e elegeu Pezão"; para Brito, "Cabral, que andava oculto depois de deixar o governo sem condições de, como queria, eleger-se senador, fareja no ar uma possibilidade de voltar à cena política" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Fernando Brito, do Tijolaço

O ex-governador Sérgio Cabral emitiu nota dizendo que ‘a grave crise que se abateu sobre o Brasil tem origem na equivocada lei do pré-sal – a mesma lei que, quando governador, combateu, em protestos que liderou nas ruas do Rio com a participação de milhares de pessoas”. Ele culpa a lei pela tragédia econômica que vive o Estado do Rio de Janeiro.

Cabral é um personagem que bem retrata a camada de políticos surgida após a ditadura.

Ao longo de toda a sua carreira, só uma vez não esteve pendurado em governos: quando Leonel Brizola dirigiu o Estado.

Grudado em Moreira Franco no final dos anos 80, bandeou-se para Marcello Alencar quando este rompeu com Brizola. Lançou-se candidato a prefeito, dizendo que queria ser “um Marcello sem o Brizola para atrapalhar”.

Aliás, seu ódio a Brizola era tanto que mandou por abaixo a base de um memorial que se construía no centro do Rio para lembrá-lo.

Depois de Marcello, de quem peça chave como presidente da Assembléia, tarefa que desempenhava ao lado da de promotor de bailes da terceira idade, uma demagogia à toda prova, não teve um instante de vacilação em trocar de “gancho”: aderiu a Garotinho e foi seu cão de guarda na Assembléia.

Está claro que, depois de ter sido eleito governador pelo casal Anthony-Rosinha, Cabral continuou fazendo o que é sua especialidade: trair.

E foi se pendurar em Lula e, depois, em Dilma.

Nunca antes na história deste país o Rio de Janeiro recebeu tantos recursos federais. E com isso reelegeu-se e elegeu Pezão.

Cabral, que andava oculto depois de deixar o governo sem condições de, como queria, eleger-se Senador, fareja no ar uma possibilidade de voltar à cena política.

Sabe que o que diz não em sentido, porque não foi a lei de partilha quem reduziu a menos da metade o preço do barril do petróleo, sabe nada do petróleo brasileiro é explorado sob as novas regras, que só começarão a ser aplicadas quando jorrar o primeiro óleo comercial do campo de Libra – que, aliás, vai superando as expectativas à medida em que a exploração avança – e sabe que era insustentável que os royalties se mantivessem praticamente restritos aos estados produtores.

Igualmente sabe que abrir o petróleo para as multinacionais, se traz alguma coisa para estado (ou para o país) são só os escritórios de seus executivos, porque navios, plantas de equipamentos e produção de insumos à exploração nunca trouxeram.

Cabral está apenas seguindo a sua trajetória política de traições e oferecendo a Temer o que nenhum carioca ou fluminense lúcido, que sabe da importância da Petrobras para nossa economia – que vai muito, muito além dos royalties, se disporia a fazer: ser ponta de lança, aqui, da destruição de nossa maior empresa.

O azar dele é que encontra o tanque de traíras já lotado: Picciani, Eduardo Paes, Crivella…

Resta saber se o “peixe” Romário, que ontem anunciou sua candidatura, vai querer entrar nessa lagoa onde jacaré nada de costas.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247