Casa onde João Pedro foi morto tem 70 marcas de tiro

"Tem 71 marcas de tiros, eu mesma que contei", diz Jack Silva, presidente da associação de moradores de Ilha de Itaoca, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro, onde João Pedro foi assassinado

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A casa de João Pedro Matos Pinto, jovem de 14 anos assassinado em operação da polícia no Rio de Janeiro, tem cerca de 70 marcas de tiros. 

João brincava com os primos antes de ser morto durante uma operação policial na tarde de segunda (18). Os buracos das balas se espalham por diversas paredes, uma janela e a televisão na sala do imóvel, que é de uma tia do adolescente.

"Tem 71 marcas de tiros, eu mesma que contei", diz Jack Silva, presidente da associação de moradores do bairro, segundo reportagem da Folha de S. Paulo. "Era muito tiro. E tinha também um pedaço de granada ou bomba de gás que jogaram."

João estava na casa da tia que fica na Ilha de Itaoca, no Complexo do Salgueiro, em São Gonçalo, região metropolitana do Rio de Janeiro.

Em nota, a Polícia Civil disse apenas que foi realizada uma perícia no local e que testemunhas prestaram depoimento na delegacia.

​"Os policiais já foram ouvidos e as armas apreendidas para confronto balístico. O piloto do helicóptero prestará depoimento e familiares também serão ouvidos. Os laudos periciais estão sendo analisados e outras diligências estão sendo realizadas para esclarecer as circunstâncias do fato", diz a nota, incormando ainda que foi instaurada uma sindicância administrativa disciplinar pela Corregedoria Geral da Polícia Civil para apurar a conduta dos policiais civis que participaram da ação.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247