Com mais de 50 mortos e 60 mil desabrigados, estados de Minas, Espírito Santo e Rio de Janeiro encontram-se em calamidade

Como todo ano, as cidades da região Sudeste do Brasil estão sofrendo a calamidade dos deslizamentos de terras e enchentes, que acarretam a morte de dezenas de pessoas e o desabrigo de milhares. Não é uma decorrência apenas de fenômenos climáticos mas da deterioração da infraestrutura das regiões atingidas

(Foto: Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - As enchentes e deslizamentos no Sudeste do Brasil em 2020 começaram em 17 de janeiro de 2020 como resultado de fortes chuvas, causando grandes danos em municípios dos estados de Minas Gerais, Espírito Santo e Ruo de Janeiro.  

Nos três estados já são mais de 50 mortos e 60 mil desabrigados. 

O governo federal reconheceu o estado de emergência, mas as medidas superficiais adotadas não são suficientes para proteger a população nem  minorar o sofrimento das pessoas atingidas.

O reconhecimento da situação de emergência permite aos governos municipais, estaduais e o federal engajar órgãos públicos e empresas ligadas ao Poder Executivo para priorizar o atendimento e a reparação dos estragos causados pelas chuvas, 

Além disso, prefeituras e o  Poder Executivo estadual podem contratar serviços temporários e efetuar compras consideradas essenciais para o enfrentamento da situação sem a obrigatoriedade de realizar processo licitatório. No plano federal, o reconhecimento do estado de emergência implica a tomada de medidas para ajudar os estados e municípios atingidos, informa a Agência Brasil

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247