Polícia investiga caso de jovem congolês que foi espancado até a morte após cobrar pagamento no Rio

Moise Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, trabalhava num quiosque de praia e cobrou o gerente do local o pagamento de duas diárias atrasadas

www.brasil247.com - Moise Mugenyi Kabagambe
Moise Mugenyi Kabagambe (Foto: Reprodução)


247 -  A polícia investiga o assassinato do jovem congolês Moise Mugenyi Kabagambe, 24, que foi espancando até a morte por cerca de 15 minutos em um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, na segunda-feira (24).

Os agressores - cinco - utilizaram pedaços de pau e um taco de baseball para bater no rapaz.

Tudo foi flagrado por câmeras de segurança. Segundo a Polícia Civil, as imagens estão sendo avaliadas para identificação dos suspeitos.

Moise nasceu na República do Congo e chegou ainda criança ao Brasil, acompanhado dos irmãos, todos refugiados políticos. O jovem trabalhava no quiosque como ajudante de cozinha e teria sido agredido após cobrar do o pagamento por duas diárias atrasadas.

Primo de Moise, Yannick Iluanga Kamanda disse ao Extra que teve acesso às imagens e que o primo chegou até a ter as pernas e os braços amarrados durante a agressão. "Num primeiro momento, o meu primo é visto reclamando por que ele queria receber. Em determinado momento, os ânimos se acirraram e o gerente pega um pedaço de madeira. O meu primo corre para se defender com uma cadeira. O gerente vai embora e em seguida volta com cinco pessoas e pegam o meu primo na covardia. Um rapaz dá um mata-leão (chave de pescoço) nele e os outros quatro se revezam em bater", disse. " Ele apanhava e as pessoas se revezavam para bater. Não satisfeitos, eles amararam os braços e as pernas dele e continuaram batendo. O meu primo ficou desacordado e mesmo assim ele espancavam ele. Só depois de um tempo , eles viram que ele estava desacordado e deixaram ele jogado na areia", acrescentou. 

O laudo do Instituto Médico Legal mostra que os pulmões do jovem tinham áreas hemorrágicas de contusão e também vestígios de broncoaspiração de sangue. A causa da morte foi traumatismo do tórax, com contusão pulmonar. 

Moise foi enterrado no domingo (30).

“Meu filho cresceu aqui, estudou aqui. Os amigos dele são brasileiros. Mas hoje é vergonha. Morreu no Brasil. Só tristeza”, declarou a mãe de Moise, Ivana Lay.

A embaixada do Congo já cobrou respostas das autoridades brasileiras.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247