Supermercados do Rio já limitam compras de arroz e óleo

Alguns supermercados do Rio estão limitando compras por clientes devido à alta dos preços de alimentos da cesta básica. Em 2020, o arroz, por exemplo, já teve um reajuste de até 320%, de acordo com ProconsBrasil

Supermercados do Rio já limitam compras de alimentos por cliente
Supermercados do Rio já limitam compras de alimentos por cliente (Foto: Reprodução/Twitter)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Alguns supermercados do Rio de Janeiro estão limitando compras por clientes devido à alta dos preços de alimentos da cesta básica, que ficou 20% mais cara nos últimos 12 meses. Neste ano o arroz, por exemplo, teve um reajuste de até 320%, de acordo com ProconsBrasil. Um saco de 5kg chegou a custar R$ 40 para o consumidor. De acordo com estatísticas do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), referentes ao varejo na cidade do Rio de Janeiro, em agosto deste ano na comparação com julho, ainda subiram de preço o óleo de soja (22,39%) e o feijão preto (0,82%).

A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) alertou o governo federal sobre possibilidade de desabastecimento nos estabelecimentos se as condições persistirem. Os relatos desta matéria foram publicados em reportagem do jornal Extra (RJ)

Para a ProconsBrasil, a solução para garantir o acesso à cesta passa por uma ação contundente do governo. "A gente acionou o governo federal para que acompanhe e monitore (a situação) e, de repente, estabeleça tetos de exportação, para garantir o abastecimento interno. E invista na agricultura familiar e nas cooperativas rurais, que não vão exportar, vão gerar empregos e ainda movimentar a economia regional", disse o presidente Filipe Vieira.

A rede de supermercados e hipermercados Extra informou que “para um maior número de clientes se abastecer”, limitou a compra de 10 kg de arroz e 5 unidades de óleo de soja por cliente, por tempo indeterminado. 

Especialista apontaram o desequilíbrio entre a oferta e a demanda dos itens e suas matérias-primas no mercado interno, para justificar a alta dos preços de alimentos das cestas básicas. Produtores têm preferido exportar, motivados pela mudança na taxa de câmbio, que provocou a valorização do dólar frente ao real. Com a moeda local mais desvalorizada, os itens produzidos no Brasil ficam mais baratos no exterior. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247