A cultura brasileira não merece Fabio Porchat

Sua verborragia é do pior nível em preconceito e neonazismo. Sua impiedade para com bolsões sociais inteiros é de dar pasmo a qualquer ultradireitista panfletário

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Inacreditável. É simplesmente surreal o que essa criatura escreveu no Estadão. É também surpreendente como o Estadão não exerceu uma censura interna a algo tão reacionário e odioso.

Sim, em pleno domingo de Carnaval, 2.3.14, esse mamífero resolveu pensar e escrever. Sua verborragia é do pior nível em preconceito e neonazismo. Sua impiedade para com bolsões sociais inteiros é de dar pasmo a qualquer ultradireitista panfletário.

É claro que 'depois' o moço mimado dirá que tudo é piada, comédia, brincadeira. Mas ele abre seu texto na primeira pessoa do singular 'amarrei no poste mesmo'. O discurso é autoral.

O texto publicado começa com tipos sociais que, segundo Fabio Porchat, merecem ir para o poste. O ladrão que dá um soco numa idosa. O cara que defende os direitos humanos. O funcionário da CET. A mulher 'vestida com aquela roupinha de puta... tá na cara que faz programa'. O cara da banca que vende cigarro para menores. Um camelô que vende DVD pirata. Mas o tolo rapaz não para aí em sua produção 'cultural'.

Inacreditavelmente ele continua. 'Mendigo bêbado... gente pobre, preto, nordestino, veado, foi indo um a um, tudo pro poste. Meu poste já tava parecendo uma árvore de Natal humana, só que com gente da pior espécie. Era eu mostrando pro mundo que aqui pode ser um lugar melhor, eu saí da minha passividade para dar paz à sociedade."

No final do texto, após deixar muito bem claro seu pensamento reacionário e nazista, preconceituoso e baixo, tenta fazer graça dizendo que também foi para o mesmo poste e que depois, todos foram liberados mas só ele ficou preso esperando os Bombeiros para serrar o cadeado que lhe prendia.

Porchat deverá ser severamente questionado pela sociedade por seu pensamento agressivo e cruel. Nazista, uma limpeza étnica. Totalmente contrário a uma sociedade fraterna que se tenta vincar. Não valerá dizer que o estão patrulhando, que é comédia, que a liberdade de imprensa garante tudo. Até garante sim; até um pensamento energúmeno desses. Ofensivo e totalitário.

Esse rapaz não merece ir para o poste, ninguém merece, apenas não mais ser considerado como uma referência cultural no país. Se é que algum dia conseguiu essa marca.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247