A estepe 3

A decisão de permanecer me foi cara, mas acreditei que devia a ele e a mim mesma essa última tentativa, mesmo que eu desejasse o fim antes da descoberta da traição

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Por Giselle Mathias

A decisão de permanecer me foi cara, mas acreditei que devia a ele e a mim mesma essa última tentativa, mesmo que eu desejasse o fim antes da descoberta da traição. Após o caso ter vindo à tona, ele em um primeiro momento se afastou da Estepe e lhe disse que eu havia descoberto, por esse motivo era preciso que dessem um tempo pois ele não queria a separação.

A Estepe ficou consternada, não acreditava no que estava ouvindo. Ele sempre lhe dissera que não queria mais o casamento, desejava a separação e quando o fim se apresentava para que pudessem ficar juntos, recuava, e mais uma vez lhe pedia paciência. No entanto, pela primeira vez ele dizia a verdade, que não iria se separar.

PUBLICIDADE

A reação inicial dela foi se afastar, cobrou os anos que se dedicara a ele, o quanto esperou para se unirem. Depois de alguns dias decidira que iria “lutar” por aquele homem e, diferente de mim, ela o via como “troféu”. Afinal, eu já sabia da existência dela. E assim iniciou-se a minha tortura final. 

Meu Ex-marido passou a receber mensagens e telefonemas constantes dela, pois o sofrimento que passava era insuportável. Eu percebia os contatos, aquilo me angustiava e não conseguia controlar meus impulsos e a raiva pelo quanto me sentia desrespeitada, as brigas que antes eram pontuais se tornaram constantes.

A Estepe passou a me perseguir nas redes sociais, chegara a criar perfis falsos para me incomodar com mensagens agressivas e ataques pessoais. No início apenas bloqueei, mas ela não parava e resolvi contar ao meu Ex-marido o que estava acontecendo, mas sua reação era a de me dizer que eu estava inventando, ficando louca, porque ele já tinha terminado tudo e ela jamais faria isso. Eu não aguentava mais aquela situação.

PUBLICIDADE

E mais uma vez contrariei os ensinamentos de minha mãe e acessei as mensagens do celular dele, vi todas as mensagens em que me detratavam, os pedidos para que ela tivesse paciência e aceitasse a nova situação de ser apenas a amante, porque ele não iria se divorciar. Segundo ele eu estava instável e os filhos o preocupavam.

Fiquei enfurecida, sim! Fiz o que não deveria, mas não suportava a farsa que vivia.

A decisão que tomei pode causar uma grande controvérsia, mas foi a única coisa que pensei naquele momento e meu impulso foi executá-la, precisava saber o que vivia, queria ter o poder de decisão. Não queria mais que decidissem por mim, que me deixasse em uma situação que eu não havia escolhido.

PUBLICIDADE

O Ex-marido se negava a conversar comigo, as mentiras faziam parte constante de suas falas e o me chamar de louca virou uma rotina. A dor, a tortura, a negação da verdade me era tão difícil que em alguns momentos cheguei a crer que realmente estava enlouquecendo. 

Então, liguei para a Estepe!

Precisava da verdade, o que me vinha sendo negado há muito tempo; queria retomar as rédeas da minha vida, e ter a segurança da decisão que deveria tomar, pois estava tão fragilizada que somente saber o que havia acontecido me fortaleceria. Não foi fácil falar com ela, mas foi importante para me reencontrar e me resgatar.

Ela atendeu o telefone e me identifiquei, pedi que não desligasse, desejava entender o que acontecera e porque ainda estávamos naquela situação. Não sei se me surpreendi com a nossa conversa, mas com certeza me incomodou muito. Ela o protegia, dizia que não tinham nada, eram apenas amigos, que eu não havia entendido a conversa dos dois. Não adiantava eu dizer que tinha lido tudo, visto as fotos, ela insistia que eu estava desestabilizada e como ele me chamou de louca.

Não briguei com ela, não lhe pedi para se afastar, apenas pedi para saber o que existia entre eles, se havia o desejo de estarem juntos, eu não seria o empecilho para eles, já havia decido me separar, mas ela permaneceu insistindo na posição de o proteger. Percebi que ela ainda acreditava nas mentiras dele, que iria continuar a aguardá-lo e saber que ele mentia para nós duas me incomodou.

Após essa conversa com a Estepe me dirigi ao Ex-marido e lhe contei o que tinha feito, exigi mais uma vez que me contasse sobre o que estava acontecendo e a única coisa que ele me disse, foi:

- Vocês duas estão me disputando!

Não acreditei no que ouvi, me enfureci e lhe disse:

- Não há disputa! O que vivi com você jamais se apagará, mas continuar essa relação é uma decisão que irei tomar.

Sai do quarto, peguei a chave do meu carro e fui para o lugar que mais amo para pensar no que eu faria, como falaria com meus filhos e como comunicaria a todos o fim do meu casamento. Ter postergado o final havia sido um erro. No dia seguinte, comuniquei ao Ex-marido que o divórcio para mim era a única solução, disse a ele para seguirmos nossas vidas, que esse novo caminho nos abriria novas oportunidades e acima de tudo que ouvisse seu coração.

Imaginei que ele ficaria com a Estepe. Foram tantos anos juntos e ela esperara por tanto tempo a concretização do nosso divórcio, que me surpreendi quando ele apareceu com uma nova namorada e descartara a Estepe que foi sua amante por tanto tempo.

Talvez ela tenha desistido ou como muitas mulheres preferiu ficar como a amante. Não a julgo, apenas entendendo o que não me serve, nem ser a oficial fingindo que vivo em um casamento perfeito e muito menos ser a amante. 

O fim do casamento foi o meu resgate, o existir enquanto humana, apesar de todas as dificuldades que se apresentam hoje, mas minha busca por mim e o reencontro com meu Ser é a minha alegria, talvez por isso o meu destino seja o estar só, porque não abrirei mão de mim mesma novamente; o que almejo é entender a mim mesma na minha essência e compreender o outro.

Porém, hoje posso dizer que os sonhos, o que foi realizado e o que ficou como expectativa, o amor vivido me fez ser quem sou. Agradeço ao Ex-marido o que tivemos, mas reconheço o que está no passado como uma lembrança que me impulsiona para a possibilidade de algo novo; apesar das travas, dos medos e inseguranças, a vida e o desejo ainda fazem parte de mim e isso me surpreendeu nessa nova etapa da minha vida.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE

Apoie o 247

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email