A falsa modernidade de um jornalão

O que o Estadão pretende é açular os ânimos dos patrões que ainda leem o jornalão

www.brasil247.com - Estadão
Estadão (Foto: Reprodução)


O problema de alguns jornalistas são as bolhas em que vivem. O sujeito isola-se no seu nicho retrógrado e dele não sai, nem sequer olha para fora. Apega-se a meia dúzia de dogmas e deles não desgruda. Contorce-se em palavrórios para fazer o leitor crer em algo que o mundo já demonstrou irreal. Por exemplo, o trabalho desregulado.

O Estadão publicou – me escapa o nome do autor – que um dos “erros” da campanha de Lula à Presidência da República (líder absoluto, com 48% de intenção de voto) é pregar a reversão da reforma trabalhista de Michel Temer, a qual constituiria um largo passo rumo à modernidade trabalhista. 

O elogio à precarização do trabalho cumpre o mantra neoliberal de excluir o Estado da vida humana, como se um ente superior – o mercado ou coisa que o valha – fosse capaz de civilizar a cabeça do patrão brasileiro, um explorador por definição (salvo raras exceções).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O IBGE informa hoje um desemprego no país de 13,5 milhões de pessoas – taxa de 12,6%, o dobro da média mundial. A taxa de subutilização do trabalhador é de 26,5%. A subutilização diz muito sobre as novas formas de trabalho e emprego, que, sem retoques, nada mais são do que bicos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O emprego formal - “carteira assinada”- é apregoado como desestímulo a contratações, pelos “altos custos trabalhistas” que envolve. Trata-se de uma bobagem primária. Patrões demitem ou deixam de contratar quando seus produtos ou serviços não vendem, e seus produtos ou serviços não vendem quando o consumidor ganha mal ou está desempregado. Mais ou menos como a historinha do biscoito Tostines.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A mentira de que a desregulamentação estimula o emprego confirma-se com uma olhadela nos números. Ao término do primeiro governo Dilma Rousseff, em 2014, antes da quase destruição da CLT, o desemprego era de 4,8%. A volúpia por modernizar as relações de trabalho, nos moldes temeristas, não gerou empregos e contribuiu com a paradeira da economia.

Este colunista recorda-se de quando foi entrevistar o ex-ministro Eros Grau, do Supremo Tribunal Federal. Terminada a conversa, o magistrado pergunta se eu estava de carro ou chamaria um táxi. Nenhuma das duas opções – eu me mandaria de Uber. Grau indignou-se, primeiro, por me arriscar a ser conduzido por um motorista não profissional; segundo, por usar os serviços de trabalhador tão precarizado. Confesso ter ficado um pouco envergonhado: a indignação de Eros Grau deveria ser a de todos nós.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O que o Estadão pretende é açular os ânimos dos patrões que ainda leem o jornalão. A campanha de Lula acerta porque se dirige ao trabalhador, que abomina ser explorado. Votará em quem o defende.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email