Aliança dos EUA com o Brasil contra a China está na contramão da história

“A opção vira-lata do presidente Bolsonaro, amparada na irracionalidade anticomunista e numa ideologia torpe, neofascista, coloca o Brasil na contramão da história e não condiz, em absoluto, com os interesses nacionais. É uma vergonha para quem realmente tem espírito patriótico e uma desonra às tradições do Itamaraty”

www.brasil247.com - EUA e Brasil se aliaram contra a China
EUA e Brasil se aliaram contra a China (Foto: REUTERS/Carlos Barria)


Agindo como um fiel e vil vira-lata do presidente Donald Trump, o governo Bolsonaro decidiu ingressar nesta terça-feira (21) junto com os Estados Unidos com uma proposta na Organização Mundial de Comércio (OMC) estabelecendo que o princípio de economia de mercado tem de valer para todos os seus membros.

O alvo da ação é a China, acusada pelos imperialistas de Washington de não ser uma economia de mercado. O pano de fundo é o duelo pela liderança geopolítica do mundo. Tal conflito não é uma nuvem passageira na conjuntura, vai perdurar certamente pelos próximos anos e terá por provável desfecho uma nova ordem internacional, se antes não resultar numa guerra nuclear.

Superioridade do socialismo

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os Estados Unidos são uma potência em declínio. O capitalismo neoliberal proposto ou imposto pelas classes dominantes estadunidenses revelou-se um rotundo fracasso global, acentuado hoje pela pandemia do coronavírus. O socialismo de mercado chinês, que não exclui completamente relações capitalistas de produção mas é um sistema de produção liderado por um Estado comandado pelo Partido Comunista, demonstra ano a ano sua superioridade, por via do desenvolvimento desigual (traduzido nas taxas diferenciadas de crescimento do PIB).  

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O contraste das estatísticas sanitárias e econômicas durante a pandemia também aponta na mesma direção. A próspera potência asiática foi rápida e eficiente na solução da crise sanitária, conforme atesta a OMC, e também é a que emite os primeiros e mais fortes sinais de recuperação da economia, depois de fortemente abalada pelas medidas drásticas adotadas para conter a doença.

Decadência irresistível

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Do outro lado do Pacífico o cenário é desolador, com os EUA na liderança em infecções mortes pela Covid-19, amargando uma segunda onda, e o horror econômico da maior economia capitalista do mundo refletido em mais de 51 milhões de pedidos de seguro-desemprego desde meados de março até 15 de julho.

A ascensão da China afirma-se concretamente na história de forma tão irreversível quanto a sua contrapartida dialética, ou seja, a queda dos EUA. A guerra comercial desencadeada por Donald Trump não mudou o curso da história e as provocações na OMC também não vão reverter o rumo do desenvolvimento objetivo das economias.

A opção vira-lata do presidente Bolsonaro, amparada na irracionalidade anticomunista e numa ideologia torpe, neofascista, coloca o Brasil na contramão da história e não condiz, em absoluto, com os interesses nacionais. É uma vergonha para quem realmente tem espírito patriótico e uma desonra às tradições do Itamaraty, pautadas quase sempre ao longo da história por uma atitude soberana e independente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Lembre-se que a China é a maior parceira comercial do Brasil, os EUA foram por ela superados em 2009 e hoje estão bem atrás. Nada menos de 76% do saldo da balança comercial brasileira entre janeiro e abril vem apenas do comércio com a China, comparado à média de 45% nos últimos anos. As relações comerciais e também financeiras do nosso país com os chineses são muito mais relevantes e proveitosas para o país do que com os EUA.

A política externa de Bolsonaro é uma afronta ao Artigo 4º da Constituição e mais um crime passível de impeachment.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email