Apertem os cintos, o petróleo subiu

www.brasil247.com -
(Foto: Reuters)


O mundo vai experimentar os problemas da nossa dependência ao petróleo, mais uma vez, devido à guerra Rússia e Ucrânia. Os americanos, que estão apostando em sanções cada vez mais fortes, estão deixando de importar o petróleo russo. Qual seria sua alternativa? A Venezuela. Logo a Venezuela, que o próprio americano taxou diversas sanções econômicas, fazendo agora uma carreira de desprezar o que estava escrito e prometeu tirar as sanções para negociar o ouro negro. Do outro lado, O Putin sabia que iria sofrer essas sanções econômicas. Ele se preparou durante anos. Hoje ele tem a quarta maior reserva internacional. Ele tem guardado mais de 600 trilhões de dólares guardados, 8% eram de ouro em 2008 e hoje são 20%. Ele se livrou dos dólares, por causa da colisão natural com os Estados Unidos e está cada vez mais tendo a China como parceiro, com inclusive a promessa de um gaseoduto  da Sibéria para China.

Mas de imediato acabar com a parceira da Alemanha para um projeto com a China em longo prazo, não derrubaria o capital da Rússia? Com as reservas, o enxugamento da máquina pública, gastou muito pouco durante anos, Além do mais, independente da guerra atual, os Russos diminuíram o fornecimento de gás para a Europa e graças a sua reserva, pode concluir sua missão sem se preocupar com as sanções pesadas. Não contava com uma retaliação cada vez mais forte e embragos internacionais pesados como estão acontecendo. O drama dos refugiados, também fortaleceu o presidente ucraniano que resiste nesse momento sozinho, mas está conseguindo uma comoção mundial a seu favor.

Hoje o barril internacionalmente está crescendo para mais de 130 dólares o barril. A opção americana para suprir a sua carência está levando a uma necessidade de abastecimento alternativo, assim como o gás para a Europa, afinal a importação é praticamente com a Rússia. Mas desde que Nicolás Maduro foi eleito na Venezuela, os EUA fechou sua embaixada em Caracas e tentou a todo custo emplacar seu candidato Juan Guaidó com inúmeras tentativas de golpe civil. Todas fracassadas. Agora, com a crise aumentando, está de olho na Bacia do Orinoco, onde está a maior jazida do planeta. Todo discurso de que não negociava com “ditadores” ou “regimes autoritários” vai cair por terra. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Biden já está tentando negociar com diplomacia com a Venezuela. Mas será uma negociação entre cavalheiros? Claro que não. Aqueles que são aliados da Rússia na América do Sul vão sofrer uma quizumba , com rompimento de acordos, para saírem de seu atoleiro energético. E se depender de futuristas, já está anunciando um grande blackout nos Estados Unidos. Para Maduro, será uma vitória com uma saída das sanções e recuperação de sua imagem no exterior. Uma vitória que dará uma sobrevida a ele e se distanciando de oportunistas neoliberais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Já há impactos gigantescos nos preços da energia, preços dos alimentos e fertilizantes, assim como um aumento do preço do transporte marítimo. A ironia é buscar um acordo com a Venezuela, onde era demonizada pelos neoliberais, tendo inclusive  o Bolsonaro achando que iria derrubar o Maduro com apoio do Trump e hoje a  Venezuela é um país mais importante para os EUA. Bernard Chenot, em seu livro Des Enterprises Nationalisées cita que o consumo de energia é um índice de progresso universal, de suma importância. Tão importante que está incluído na encíclica do papa Pio XI. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Tudo isto terá desdobramentos, mas não seria o caso de cristãos e ateus se interessarem mais na defesa desse preceito da encíclica e repensar o planeta para energias mais limpas e renováveis?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email