Bolívia: direita ameaça recuperação da democracia

As políticas econômicas de Añez visavam deliberadamente demolir o que havia sido conquistado para a nação nos 14 anos de governo de Evo Morales e reverter brutalmente todas as políticas sociais que haviam beneficiado o povo

Siga o Brasil 247 no Google News

Depois de um ano inteiro de horror racista e repressivo perpetrado pelo governo de fato resultante de um golpe, o povo boliviano foi às urnas em 18 de outubro de 2020 e surpreendeu seu próprio país e o mundo ao entregar o candidato do MAS-IPSP de Evo Morales, Luis Arce, uma vitória esmagadora. O golpe que instalou um regime racista liderado por Jeanine Añez, foi orquestrado pelo Secretário-Geral da OEA, Luis Almagro, realizado por fascistas em novembro de 2019 e, claro, apoiado pelos Estados Unidos. [I]

Os detalhes dessa vitória esmagadora revelam o tamanho da derrota do regime de extrema-direita de fato: o MAS-IPSP conquistou a presidência com 55% dos votos expressos, contra 28% do direitista Carlos Mesa, e 14 % da extrema-direita Luis Camacho. O desempenho foi muito melhor em relação às eleições de novembro de 2019, quando seu candidato, Evo Morales, venceu com 48% contra 36% do direitista Carlos Mesa.

Além disso, o MAS-IPSP venceu em 6 dos 9 departamentos do país (com 68% em La Paz; 65% em Cochabamba; 62% em Oruro; 57% em Potosí; 49% em Chuquisaca; e 46% em Pando), a direita venceu em 2 (com 50% em Tarija e 39% em Beni) e a extrema direita que venceu apenas em Santa Cruz (com 45%, e o MAS-IPSP com 36%). Os 6 departamentos nos quais Arce foi vitorioso contêm quase 7 milhões da população total da Bolívia, de 11 milhões.

PUBLICIDADE

As coisas estão melhorando: os candidatos do MAS-IPSP conquistaram 75 das 130 cadeiras da Assembleia Legislativa Plurinacional e 21 das 36 do Senado. O candidato presidencial do MAS-IPSP também venceu em 314 municípios, a extrema direita em 21 e a direita em 18.

É uma vitória eleitoral muito sólida, tanto mais impressionante quanto ocorrida no marco de um ano de sistemática perseguição política e judicial contra o MAS-IPSP, seus dirigentes e dirigentes (o próprio Morales foi acusado de terrorismo que o obrigou a fugir do país), incluindo uma repressão brutal contra os movimentos sociais a ele associados; a prisão ilegal, assédio e exílio de seus líderes e o uso entusiástico da lei. Tudo isso em um contexto de violência racista bem organizada e bem financiada, desencadeada especialmente contra as mulheres indígenas, por grupos paramilitares fascistas, a polícia e as forças armadas que perpetraram massacres contra movimentos sociais que defendiam seus direitos e lutavam pela democracia. Para piorar a situação, os principais meios de comunicação nacionais e internacionais, na melhor das hipóteses, tentaram encobrir e, na pior, apoiar os conspiradores golpistas e a brutal violação dos direitos humanos pelo regime de Añez.

As políticas econômicas de Añez, em consonância com a ideologia da extrema direita e de seus mentores estrangeiros, visavam deliberadamente tanto demolir o que havia sido conquistado para a nação nos 14 anos de governo de Evo Morales quanto reverter brutalmente todos eles. as políticas sociais que beneficiaram o povo. Não é um empreendimento pequeno, dado o progresso e transformação surpreendentes pelos quais a Bolívia e seu povo passaram naquele curto período de tempo. A seguir, listamos algumas das conquistas mais importantes do governo do MAS-IPSP durante o período 2006-2019:

PUBLICIDADE

O PIB da Bolívia passou de 9.574 bilhões de dólares em 2005 para 40.000 bilhões de dólares em 2013 (um aumento de mais de 400%), ou seja, uma média anual de 4,6%, a maior da região, portanto que a partir de 2006 a Bolívia teve um superávit fiscal em 2006 pela primeira vez em sua história; e em 2018 tinha 8.946 milhões de dólares em reservas internacionais.

  • A pobreza extrema caiu de 38% em 2006 para 16% em 2018 (uma baixa recorde)
  • A mortalidade infantil foi reduzida em 56%;
  • Os vales sociais (para idosos, alunos do ensino fundamental e médio, gestantes) beneficiaram 5,5 milhões de pessoas (mais de 50% da população)
  • A poupança interna no período 2006-2018 passou de 4.361 milhões de dólares para 27.123 milhões de dólares.
  • A dívida externa caiu de 61% do PIB em 2004 para 23% em 2018
  • O número de postos de saúde passou de 2.870 para 3.902, e foram construídos 49 novos hospitais, bem equipados pelo Estado com a mais moderna tecnologia médica (saúde pública é gratuita)
  • Com a colaboração de médicos cubanos, a Operação Milagre realizou mais de 3 milhões de atendimentos oftalmológicos e 742.000 cirurgias que permitiram que muitos bolivianos recuperassem a visão (Añez expulsou os médicos cubanos) - O orçamento da saúde ultrapassou 2,5 milhões de bolivianos (moeda nacional) em 2005 para 18.805 milhões em 2018
  • O analfabetismo, com o uso do método cubano Yo Si Podemos, foi erradicado em 2014.
  • Entre 2014-18, o metrô de nove linhas em La Paz (concluído em 2014), transportou 174 milhões de passageiros
  • Água potável até 2020 chega a 9,7 milhões de pessoas de uma população total de 11 milhões
  • O fim do sistema de latifúndios levou à redistribuição de cerca de 1 milhão de hectares de terra aos camponeses e suas famílias.
  • Em 2005, apenas 18% dos parlamentares eram mulheres, em 2018 aumentaram para 51%
  • Em décadas de neoliberalismo, apenas 1.098 km de rodovias foram construídos, mas entre 2006-18 4.796 novos km foram adicionados às rodovias existentes
  • Tudo isso foi financiado pela renacionalização da indústria de energia (a Bolívia é rica principalmente em gás, mas também tem petróleo; e é extraordinariamente rica em minerais, especialmente lítio)
  • A Bolívia colocou o satélite Tupac Katari no espaço e renacionalizou a ENTEL (empresa de telecomunicações), garantindo a milhões de bolivianos o acesso gratuito à Internet, como um direito fundamental
  • Com uma decisão histórica em nível mundial, 36 nações indígenas foram reconhecidas como direitos culturais especiais e ancestrais à terra, pela primeira vez em 500 anos, que estão consagrados na nova Constituição do Estado Plurinacional.
  • Não é surpreendente que em 2018 o Relatório de Desenvolvimento Humano Mundial classificou a Bolívia pela primeira vez como um "país de alto desenvolvimento humano".
  • O MAS-IPSP de Morales afirmou a soberania nacional ao eliminar a interferência estrangeira (dos Estados Unidos) com a expulsão da DEA, USAID, CIA e até do embaixador dos Estados Unidos.
  • E muito mais.

O regime de Añez adotou políticas que buscavam desfazer todos esses avanços, algo que quase conseguiu em menos de um ano. Nada muito surpreendente aqui, um coro popular entre ativistas latino-americanos é assim: "Enquanto o equatoriano Lenin Moreno levou 3 anos para destruir as conquistas do governo de esquerda e da economia do país, Bolsonaro fez isso no Brasil em 2; mas Añez fez isso em apenas 6 meses. " Assim, uma das primeiras medidas de Añez foi uma onda de demissões em massa de funcionários públicos, agravada pela total falta de apoio do Estado a empresas, negócios e trabalhadores em dificuldades devido à pandemia de Covid-19.

Com relação à pandemia, em vez de tomar medidas de apoio extra, justamente quando as infecções e as mortes se alastravam, o governo de fato não apenas expulsou centenas de médicos cubanos que estavam na Bolívia como parte da colaboração de Cuba com o governo de Evo - literalmente dias após o golpe, mas se recusou terminantemente a alocar recursos extras para a saúde para fortalecer a luta contra o Coronavírus e, acima de tudo, reduzir os gastos com saúde. Mas quando, forçado pela pressão de uma mobilização massiva, ele teve recursos extras para comprar suprimentos de saúde, o ministro responsável cometeu uma corrupção grosseira que o levou à sua renúncia, mas não a uma investigação ou julgamento sério. As novas autoridades do governo Arce já iniciaram investigações sobre casos “emblemáticos” de corrupção como o superfaturamento da compra de ventiladores; contratação de amigos para trabalhar em empresas estatais com salários elevados ou estipêndios injustificados; contratos “emergenciais” de milhões de dólares em YPFB (estatal / empresa de gás) sem o devido processo legal ou curso legal, defraudando massivamente a empresa; pagamentos milionários em contratos "fantasmas" de habitação pública; etc.

PUBLICIDADE

Pior ainda, no final de 2020, o governo de fato ainda não tinha uma lista de empresas que fecharam seus negócios por causa da pandemia, nem uma ideia clara de quantos empregos haviam sido perdidos na economia do país, embora a informação estava disponível. De acordo com o Centro de Trabalho e Desenvolvimento Agrário, não só a pobreza aumentou maciçamente, mas o desemprego saltou de 4,3% para 9,6% em um país onde o setor informal de emprego atingiu 80%. [Ii] dois.

A resposta neoliberal do governo de facto à pobreza, ao desemprego e à contundente crise econômica não foi política, mas repressão, pela qual literalmente milhares passaram fome. Relatório da época (maio de 2020) informava que cerca de 1,7 milhão de bolivianos não podiam custear nem mesmo uma cesta básica. Já o abandono total e a falta de medidas por parte de Añez e companhia permitiram que a pandemia causasse estragos entre os mais pobres, com centenas de milhares de infectados e milhares de mortes. Assim, enquanto o “governo interino” de Añez adicionava ilegitimidade à ilegalidade, brutalidade à incompetência e neoliberalismo à corrupção, as consequências de um coquetel “Bolsonaresco” tão assustador criaram quase 2 milhões de novos pobres. E invariavelmente sua explicação para qualquer crítica a tal governança desordenada era colocar a culpa de tudo em Evo Morales e no governo do MAS-IPSP. E, como a noite segue ao dia, as "urgências" neoliberais de Añez a levaram a pedir ajuda financeira emergencial desnecessária ao FMI, o que a levou imediatamente a conceder um empréstimo de 327 milhões de dólares com as habituais e onerosas condições que minam os conquistou a soberania econômica da Bolívia.

Em 2020, a economia se contraiu 10%, levando a mais desemprego, miséria e fome, e levou a protestos massivos e, claro, mais repressão. O agora infame Ministro do Interior Añez, Arturo Murillo, em resposta a essa oposição política massiva, disse que "disparar balas [contra os manifestantes] seria o que seria politicamente necessário". Não era retórica ociosa; As forças repressivas já haviam perpetrado dois massacres em novembro de 2019, em Senkata (La Paz) e Sacaba (Cochabamba), sobre os quais uma organização de direitos humanos relatou 36 mortos e mais de 500 feridos, descrevendo a situação com o título eloqüente “Eles atiraram em nós como animais. ”[iii] 3

PUBLICIDADE

Como o governo Añez era apenas temporário e sem autoridade constitucional ou legal para mudar nada, já que sua única tarefa era organizar eleições nacionais, a coalizão de extrema direita que manteve as rédeas do poder usou a pandemia como desculpa - na qual era ele estava fazendo muito pouco - para adiar as eleições, o que ele fez quatro vezes. Felizmente, por meio da pressão de massa, disciplina política, a unidade de ação inteligente do movimento de massa liderado pelo MAS e a utilização de alguns assentos no edifício político existente, o povo conseguiu persuadir (na verdade, forçar) ao governo de fato de Añez a aceitar a decisão legal do Parlamento de realizar eleições em 18 de outubro de 2020, com os resultados extraordinários mencionados acima.

Quando o recém-eleito presidente, Luis Arce, que havia sido ministro da Política Econômica de Evo e arquiteto dos impressionantes resultados econômicos da Bolívia no período 2006-2019, anunciou que, como primeira decisão política, estava restabelecendo relações diplomáticas plenas com Cuba, Venezuela e O Irã causou arrepios na ala direita da Patagônia ao Klondike.

As primeiras medidas econômicas de Arce foram igualmente interessantes. Em primeiro lugar, os 1.000 Bônus de Fome bolivianos (150 dólares / 100 libras) destinados aos mais desfavorecidos (deficientes, grávidas, idosos, mais pobres, etc.) que beneficiarão cerca de 4 milhões de pessoas. Em segundo lugar, a redução do imposto sobre pagamentos com cartão de crédito de 13% para 8% e o reembolso da diferença (5%) ao cliente, o reembolso do IVA para pessoas de baixa renda e um imposto sobre grandes fortunas sobre seus ativos em bens imóveis e não imobiliários, e no rendimento. Terceiro, entrar em negociações com organizações multilaterais (Banco Mundial e Banco Interamericano de Desenvolvimento) para obter créditos sem condições econômicas ou políticas, incluindo uma moratória e o cancelamento da dívida do país e seus juros. Quarto, evitar, na medida do possível, a desvalorização da moeda nacional para favorecer o crescimento econômico e promover a substituição de importações, entre outras políticas reativadoras. Quinto, fortalecer a demanda econômica doméstica para contribuir para a reativação da atividade econômica por meio de subsídios aos mais pobres e a outros segmentos da sociedade. Em sexto lugar, a profissionalização do judiciário por mérito e qualificação e não por cotas políticas determinadas pela força relativa das forças políticas existentes, método que Arce descreveu como "inútil". E sétimo, a médio e longo prazo, continuar com a industrialização do lítio e do ferro, juntamente com um programa de soberania alimentar, a promoção do turismo interno, a exportação de energia elétrica e a industrialização do gás, tudo no contexto de manter todos essas atividades estão em grande parte sob o controle e propriedade do estado.

Os gastos do estado com saúde e educação aumentarão para 10 e 11 por cento, respectivamente. Um fator crucial será o investimento público, que aumentará para atingir uma taxa de crescimento econômico de 4,8% até 2021 (Añez destruiu ou desmontou todas as obras públicas em andamento, que a Arce pretende retomar e realizar como mais um suporte para a reativação de economia nacional). Nesse sentido, promovido pela Arce, a maioria do MAS-IPSP no parlamento já aprovou leis que garantem a aplicação de todas essas medidas urgentes. Vale destacar a decisão da Arce de quitar o empréstimo do FMI contraído por Añez em 2020. [iv] 4

Além disso, a Arce desenvolveu um plano estratégico abrangente para combater a Covid-19 que inclui métodos rigorosos para impedir o contágio, medidas de biossegurança no local de trabalho, fortalecimento das instalações médicas existentes e fornecimento de equipamentos e suprimentos de saúde adequados, testes em massa para melhorar substancialmente a detecção, uso em massa de ervas ancestrais para ajudar na prevenção e vacinação em massa. Para este último, a Arce garantiu o suprimento maciço de vacinas da Rússia e da China (Sputnik V e Sinopharm, respectivamente), e a vacinação em massa já começou.

No entanto, a decisão de Arce de promulgar uma lei de emergência de saúde, totalmente justificada no contexto letal da pandemia de Covid-19, está sendo usada por médicos do setor privado para lançar uma greve nacional que tem muito pouco a ver com sua objeção flagrante à lei como "punitivo". Uma conspiração racista de extrema direita parece estar levantando sua cabeça feia a cavalo desta desestabilizadora “ação de massa” claramente orquestrada por forças reacionárias. Em apoio aos médicos, o líder da extrema direita, Luis Camacho, em 20 de fevereiro de 2021, se opôs totalmente à lei de urgências sanitárias e apelou ao respeito aos profissionais de saúde, ameaçando de fato com um (outro) golpe. [V] 5

Espera-se que a direita e a extrema direita bolivianas cooperem para desencadear mobilizações antigovernamentais de grupos da “classe média” como médicos, advogados, mulheres da elite não indígena, estudantes universitários, comércio, empresas privadas e afins . Em outros países latino-americanos, esses grupos são suscetíveis a receber subsídios milionários financiados pelo contribuinte dos EUA e distribuídos pela máquina intervencionista dos EUA por meio da USAID, do NED e semelhantes, como fizeram no Chile com Allende, e também fizeram, por exemplo, na Nicarágua e na Venezuela. Isso significa que no próximo período devemos esperar todo tipo de provocações, notícias falsas, bandeiras falsas, campanhas internacionais de demonização, com o apoio fervoroso quase garantido dos principais meios de comunicação corporativos nacionais e internacionais (incluindo não corporativos, a BBC e o “ Progressivo ”The Guardian no Reino Unido, que na época“ editorializou ”que o golpe foi culpa de Evo). [Vi] 6 Em outras palavras, a robusta vitória eleitoral de 18 de outubro de 2020 levou a Bolívia a recuperar sua democracia, para reativar sua economia, para restaurar os direitos sociais, políticos, econômicos e culturais de toda a população, mas o governo do MAS-IPSP Arce ainda não saiu do terreno difícil: o caminho a seguir é provavelmente uma batalha tortuosa e difícil.

Isso traz nossa análise à questão crucial da solidariedade com o povo boliviano e com a transformação progressiva dessa nação iniciada em 2006 sob a presidência de Evo. O princípio fundamental da solidariedade para com o povo boliviano deve ser a defesa incondicional de seu direito à autodeterminação e à soberania nacional, opondo-se, rejeitando e condenando qualquer ingerência externa especialmente vinda, como há tanto tempo, dos Estados Unidos. e seus aliados. Em segundo lugar, a recuperação total da economia, apesar da formidável base econômica construída pelo governo Evo em 2006-2013, não será nada fácil. A dificuldade adicional decorre do fato de que a pandemia de Covid-19 desencadeou uma crise econômica global prolongada de proporções gigantescas, deprimindo a demanda por matérias-primas e minerais, o ponto forte da economia boliviana.

Isso significa que a direita boliviana usará qualquer complicação ou dificuldade econômica que o governo Arce venha a enfrentar, mobilizando o descontentamento -especialmente da classe média- para se opor, portanto, como bem disse Wiphalas por el Mundo: a solidariedade internacional desempenhou um papel fundamental em ajudar o povo boliviano a lutar durante um ano inteiro contra o regime racista e fascista de Jeanine Añez, mas esta solidariedade deve ser mantida pelo menos durante os próximos cinco anos de reconstrução. É preciso ter em mente que o objetivo explícito da oposição do direito racista ao atual governo do MAS-IPSP Arce, como foi com o governo de Evo, não é ser uma oposição leal que respeita as regras do jogo e inflige derrota político-eleitoral, mas aproveita todas as oportunidades para capitalizar sobre quaisquer problemas que possam surgir, buscando a derrubada violenta do governo eleito democraticamente. Além disso, as persistentes ameaças de golpe das forças reacionárias na Bolívia são motivadas pelo ódio intensamente racista à maioria indígena do país.

Nesse contexto, a recuperação plena da democracia apresentará complexidades semelhantes. Entre as muitas tarefas está a incontornável de levar a julgamento todos os culpados de corrupção, violação da lei, atos inconstitucionais e atrocidades contra os direitos humanos. Este último levanta a questão delicada, mas inevitável, de reformar as forças armadas e a polícia para garantir que não participem no futuro no apoio a golpes de estado como fizeram em novembro de 2019. Assim, o caminho à frente estará repleto de armadilhas , provocações e perigos. Nesse sentido, o movimento de solidariedade não deve se apressar em tirar conclusões ultimatistas, puristas ou doutrinárias de qualquer decisão difícil ou movimento tático que o governo de Arce seja forçado a tomar.

Mais importante, dado seu gigantesco significado geopolítico, é continuar organizando a solidariedade para defender e ajudar a preservar a vitória eleitoral e política de outubro de 2020. Além disso, o triunfo heróico do povo boliviano contribuiu dramaticamente para mudar o equilíbrio de forças do continente a favor de políticas progressistas. A vitória conquistada em outubro de 2020 é imensa e preciosa, mas precária. Devemos fazer tudo ao nosso alcance

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email