Bolsonaro devia estar sendo julgado. Mas, solto, apronta, cada vez mais

"As últimas aparições de Bolsonaro na mídia, esta semana, mostram que ele não se abalou com nada do que a CPI lhe imputou", diz o jornalista Gilvandro Filho

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

Por Gilvandro Filho, para o Jornalistas pela Democracia

Jair Bolsonaro é um tipo incorrigível, incapaz de conciliar com qualquer regra decente de conduta e que não cabe nas normas de uma sociedade civilizada. Está provado, pelo seu conjunto da obra. Tudo que ele faz é coerente com a abjeção do que ele sempre diz e pensa. Ou se age de maneira firme, dentro de medidas e padrões que ele entende, e que se doa, ou de nada adiantam investigações e até mesmo indiciamentos, tratando-o como um réu qualquer, o que ele não é. 

A CPI da Pandemia da Covid-19 deixou à vista o grau de periculosidade daquele que, pelo menos no protocolo, foi eleito para governar o Brasil. Ao final dos trabalhos da comissão do Senado, as acusações contra Bolsonaro deveriam servir, no mínimo, para um julgamento célere contra ele. 

PUBLICIDADE

O relatório da CPI aponta Bolsonaro como indiciado, ao lado de 77 pessoas e duas empresas. Ele,  como protagonista da maior tragédia sanitária da história do país e, até aquele momento, pelas mais de 605 mil vidas ceifadas. 

O rol de crimes é alentado: prevaricação, charlatanismo, desrespeito a regras sanitárias preventivas, negacionismo e boicote a vacina, corrupção e desvio de dinheiro público, incitação ao crime, falsidade ideológica e falsificação de documentos particulares, vários crimes de responsabilidade que sustentariam o impeachment do presidente (violação de direitos sociais, incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo). Além (não menos importante) de crimes contra a humanidade, como genocídio, perseguição e agressão aos direitos humanos. 

Onde deveria estar o presidente da República Federativa do Brasil diante de um rosário de acusações de igual teor e de potencial importância? Na pior das hipóteses, enfrentando um julgamento sumário e sério. Num país com mais respeito à Justiça, poderia, a esta altura, ser julgado, condenado e preso, cumprindo pena exemplar. Não está. E ele, nem aí... 

PUBLICIDADE

As últimas aparições de Bolsonaro na mídia, esta semana, mostram que ele não se abalou com nada do que a CPI lhe imputou. Depois de um breve período poupando minimamente a lógica e a ciência, voltou a ladrar para o mundo que, no Brasil, continuamos governados pela ignorância, pelo desrespeito e pelo nonsense. Todas as suas baterias de novo se voltaram contra a vacina e contra as medidas preventivas de combate à proliferação do vírus e de suas variantes. 

A insanidade da semana (uma das) foi atacar e chamar de “coleira” o passaporte vacinal, única medida capaz de garantir um mínimo de tranquilidade aos brasileiros diante do perigo da entrada de infectados do exterior aqui no país. Mais uma vez, o “mito” vai de encontro às orientações da ciência e assaca contra o órgão regulador da saúde do seu próprio governo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, que recomendou o passaporte de vacina como método fundamental para contar a entrada da variante ômicron no Brasil. 

Ao seu estilo e acostumado à mentira, Bolsonaro já havia distorcido a orientação da Anvisa ao dizer que a agência defenderia o fechamento do espaço aéreo, o que nunca aconteceu. Tudo com o beneplácito insano do ministro da Saúde, outro indiciado da CPI da Pandemia por ser relapso e incompetente. Marcelo Queiroga, que já havia expelido mais uma pérola do puxa-saquismo – a distorção bolsonaríssima “melhor a morte que a falta da liberdade” -, sacramentou a loucura do chefe e anunciou, em seguida, que a providência do governo, no lugar do passaporte de vacina aos viajantes, será uma pífia quarentena de cinco dias, sem fiscalização. 

PUBLICIDADE

Em termos de prevaricação, mais Bolsonaro impossível.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email