Como vencer uma eleição

Indo na direção contrária de anos como deputado federal e na contramão de suas promessas de campanha, Bolsonaro resolve investir nos programas assistenciais

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução)


Rio - De olho nas eleições de outubro, Bolsonaro descobre que melhor que ter um plano de governo ou um plano econômico meia boca, é distribuir dinheiro para os pobres.

Indo na direção contrária de anos de palanque como deputado federal e na contramão de suas promessas de campanha, Bolsonaro resolve investir nos programas assistenciais. Para isso, resolveu convidar o apresentador Silvio Santos para ministro da Economia.

Quando o dono do SBT chegou ao Palácio do Planalto, Bolsonaro estava acabando de colorir um livro.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Mandou me chamar, presidente? - perguntou Sílvio.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- Sim, Silvio. Quero que você seja o meu próximo ministro da Economia, taokey.

- Mas, e o Paulo Guedes?

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- O Paulo Guedes começou como ‘Posto Ipiranga’ mas agora não passa de um postinho sem bandeira vendendo gasolina cara e adulterada e desse jeito eu não vou conseguir vencer as eleições.

E começou a cantar:

“Silvio Santos vem aí! Olê! Olê! Olá!...”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

- O seu programa de governo é muito bom… eu nunca vi, mas o programa é muito bom! - disse Silvio, citando um de seus bordões.

- Esquece o programa. Vamos distribuir dinheiro!

- Como? Distribuir dinheiro? O senhor sempre foi crítico dos programas assistencialistas do governo do presidente Lula , presidente?

- E daí? Eu também critiquei o Centrão e hoje eles moram dentro do Palácio. Ontem mesmo encontrei um deputado dormindo debaixo da minha cama. As pessoas mudam, taokey. Silvio, você ficou rico dando dinheiro para os pobres - disse o capitão.  - Jogando dinheiro para o alto. Quero que me ensine esse truque. Acho que vou até usar o seu bordão “Quem quer dinheiro?”, na minha campanha. O que acha?

- Sei lá. O senhor mesmo disse que o ‘Bolsa Família’ era um cabresto para amarrar pobre. Suas palavras: "Devemos discutir aqui a questão do Bolsa Família. Devemos colocar um fim no Bolsa Família, porque, cada vez mais, pobres coitados, ignorantes, ao receberem bolsa família, tornam-se eleitores de cabresto do PT".

- Era, taokey. Em um levantamento feito pelo Ibope, a aprovação do meu governo saltou de 29% em dezembro de 2020 para um recorde de 40% em setembro de 2021, um mês após anunciarmos a prorrogação do auxílio emergencial.

- E quanto ao provérbio que dizia ser melhor ensinar uma pessoa a pescar ao invés de dar-lhe o peixe.

- Não é fácil pescar de barriga vazia, taokey.

- A imprensa vai cair de pau nessa sua nova fase ‘mão aberta’.

- Fazer o quê!!?? Em política nada é imexível, taokey. Já mudei o nome do ‘Bolsa Família’ para ‘Auxílio Emergencial’ e aumentei para 400 reais. Agora, vou trocar a cor dos cartões e, aproveitando a ideia do excelente ex-ministro da Educação, Milton Ribeiro, que colocou a foto dele na Bíblia, vou colocar minha foto nos cartões do ‘Auxílio Emergencial’, taokey.

- Mas, presidente, isso vai custar 600 milhões aos cofres públicos. Como o senhor vai bancar isso, sem furar o teto de gastos?

- Tira da Educação!

- Presidente, assim o senhor pode sofrer um impeachment…

- Só Deus me tira dessa cadeira, taokey!! Mas, se quiserem me afastar da presidência, eu vou me auto-indultar.

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email