É fácil saber quem ganhou e quem perdeu no Oscar

"A Secom de Bolsonaro não tem o que celebrar: Democracia em Vertigem garantiu o selo de qualidade como a melhor versão disponível no cinema para entender o golpe de 2016 e a escalada do autoritarismo", escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia

Documentário Democracia em Vertigem, de Petra Costa
Documentário Democracia em Vertigem, de Petra Costa (Foto: Reprodução/Netflix)

Embora não tenha levado a estatueta de Melhor Documentário, cabe compreender que a simples presença de "Democracia em Vertigem" entre os cinco finalistas do mais importante premio do cinema mundial representa um elemento importante no debate sobre a democracia brasileira, o golpe de 2016 e a ascensão do bolsonarismo em nosso país.

O fato de ter sido incluído entre os cinco melhores do mundo em 2019 sempre será visto como um atestado de qualidade, como ocorre com qualquer obra cinematográfica desde 1929, quando o premio foi instituído em Hollywood.

Isso quer dizer que o selo "finalista do Oscar" pode não ser igual a "vencedor do Oscar" mas seguirá abrindo portas para exibições perante novas parcelas do grande público, dentro e fora do Brasil.

Sempre que houver interesse num debate sobre a situação do país neste início de século XXI o filme de Petra Costa será a primeira opção, quase sempre obrigatória.

Antes mesmo do resultado ser divulgado, o mais respeitado crítico de nosso cinema, o veterano Sérgio Augusto, anunciou: "Petra já venceu". Estava certo.

"Democracia em Vertigem"só chegou ao tapete vermelho de Hollywood em função de suas qualidades inegáveis como obra produto de cinema.

Trata-se de um feito ainda mais notável porque nem de longe é um filme que integra a categoria de cinema-entretenimento, a mercadoria-padrão da industria cultural que Hollywood se empenha em promover desde a invenção do Oscar, em 1929.

Tampouco pode ser incluído na escola mais recente dos filmes bem comportados e piedosos, quando as telas servem para o grande capitalismo derramar lágrimas de hipocrisia e sentimentalismo perante a má sorte dos deserdados do mundo.

Delicado, personalizado, o filme de Petra Costa apresenta uma crítica direta e documentada à conspiração que derrubou o governo Dilma Rousseff, quebrando 30 anos de democracia na oitava economia do mundo -- e aqui reside sua força.

Não é uma obra esquemática nem nostálgica, mas investigativa e corajosa. Possui imagens históricas, diálogos e afirmações que ficarão para sempre. Faz um relato ao vivo, filmando os fatos quando aconteceram -- e como aconteceram.

Sem esconder sua opinião, a diretora coloca dúvidas e perguntas, sem fazer concessões às aves de rapina do autoritarismo. Aqui reside sua beleza e sua perenidade.

Alguma dúvida?

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247