Globo encenou o último espetáculo da direita esfacelada

"O fim de Bolsonaro vai abrir caminho para renovações que o bolsonarismo não permite que prosperem", escreve Moisés Mendes

www.brasil247.com -
(Foto: Reprodução/Twitter)


Por Moisés Mendes, para o 247

O debate de ontem na Globo foi devastador para a direita brasileira. Expôs o que sobrou do que se resume a antilulismo e antipetismo, ao juntar num palco de luxo figuras que geralmente aparecem dispersas.

A degradação da direita, a partir da ascensão de Bolsonaro, permitiu que se criasse essa paisagem tenebrosa.

Para que o horror seja completo, temos como novo figurante a última assombração de quatro anos de fascismo. Mas o padre Kelmon é só aparentemente a única caricatura surgida às vésperas da eleição.

Não é. Todos os que se uniram para atacar Lula são figuras quase burlescas, com exceção de Simone Tebet.

Felipe D’Avila não ata o nó da gravata de um Afif Domingos, seu ancestral liberal de 1989. Ciro Gomes parece ser superior na sua arrogância das estatísticas, mas finalmente chegou ao mesmo nível de Soraya Thronicke, sem o humor da senadora.

É autoengano da direita e da extrema direita achar que o padre fake estaria sozinho como o grotesco em meio ao que é dado como normal. Não há mais normalidade no que já foi o contraponto às esquerdas.

O debate expôs a precariedade do conjunto. Seria diferente se o time tivesse João Doria, Mandetta, Eduardo Leite, Rodrigo Pacheco ou Luciano Huck? Seria menos pior, desde que não tivesse Sergio Moro.

Acentua-se nessa eleição a degradação da direita brasileira, depois de duas décadas de hegemonia tucana como oposição ao lulismo, agravada com o surgimento de Bolsonaro. O debate só iluminou a cena.

O Brasil ficou diante do bagaço do que se assume como fascismo e do que, ao lado, ainda se apresenta genericamente como liberalismo. Tudo é precário, muito abaixo do raso e do senso comum.

O conjunto é tão ruim que Lula, quase sempre brilhante, atrapalha-se um pouco diante deles. Falta qualidade na discordância e até no ataque desleal.

Mas o debate fez também um favor à direita como última advertência antes do fim de Bolsonaro.

Este é o aviso: saiam da armadilha que o golpe de 2016 criou, com a ajuda da Globo e da grande imprensa, e livrem-se do sujeito, dos militares e dos milicianos.

Soraya e Simone até que tentaram, agora como oponentes diretas do genocida, dizer que chegou a hora de saltar fora do projeto tutelado pelos generais.

Com uma vitória em primeiro turno, Lula poderia contribuir para que se antecipe o projeto de salvação também do que restou da direita.

O fim de Bolsonaro vai abrir caminho para renovações que o bolsonarismo não permite que prosperem. O debate foi o espetáculo derradeiro.

A direita não pode desistir da própria sobrevivência e se resignar a entregar seu destino a Arthur Lira e ao centrão.

Lula, o PT, as esquerdas, o futuro governo, os que ainda se definem como de centro e os velhos conservadores assustados com o que viram ontem dependem, tanto quanto as instituições e a democracia, de uma direita sóbria e renovada.

Apoie a iniciativa do Jornalistas pela Democracia no Catarse

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email