Impeachment do governo, não só de Bolsonaro

"Quando Bolsonaro fala em armar a população a pretexto de evitar uma ditadura, todos permanecem calados. Inclusive Moro. Inclusive Braga Netto. Inclusive Luiz Eduardo Ramos. Todos. Ninguém o questiona", ressalta o jornalista Alex Solnik

(Foto: Marcos Correa/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Acho que a essa altura todo mundo já sabe de cor e salteado as frases e os palavrões que foram proferidos na reunião ministerial de 22 de abril, data do Descobrimento do Brasil, por sinal, ao que ninguém fez referência.

Tudo o que aconteceu ali na sala de reuniões do Palácio do Planalto, em Brasília, foi estarrecedor e mostra que o golpista, o conspirador, o chulo, o escatológico não é apenas Bolsonaro, é todo seu ministério.

E vice-versa.

Quando por exemplo, o ministro da Educação (?) Abraham Weintraub chama os ministros do STF de vagabundos que deveriam ser presos, Bolsonaro não o repreende. Nem Moro. Nem Braga Netto. Ninguém. Todos concordam, com o silêncio, com a calúnia.

Quando Damares Alves diz que vai prender governadores, da mesma forma Bolsonaro permanece calado. Moro, idem. Quem cala, consente.

Quando Bolsonaro fala em armar a população a pretexto de evitar uma ditadura, todos permanecem calados. Inclusive Moro. Inclusive Braga Netto. Inclusive Luiz Eduardo Ramos. Todos. Ninguém o questiona, já que o monopólio da força é do estado numa democracia.

Quando Ricardo Salles propõe aprovar medidas ilegais aproveitando a distração da imprensa com a epidemia, Bolsonaro não o admoesta. Ou seja, concorda com ele.  

Quando o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirma que se sua filha tivesse que entrar num camburão por furar a quarentena ele pegaria suas 15 armas e iria para matar ou morrer, nem Bolsonaro nem Moro o advertem que ninguém pode fazer justiça com as próprias mãos.

Quando Bolsonaro chama Doria de bosta e Witzel de estrume, todos ficam quietos. Quando diz que não vai abrir as pernas se o STF apertar, nenhuma voz se levanta contra. Nem a de Moro.

Quando Bolsonaro diz que perde o ministério quem for elogiado pela Folha e pelo Globo, ninguém protesta. Como evitar que um jornal elogie alguém?

Quando afirma que “em alguns ministérios tem gente deles” ninguém o questiona, nem pede mais detalhes.

Quando repete várias vezes que vai interferir em todos os ministérios e até na Polícia Federal, os ministros não se manifestam. Concordam com tudo isso. Como cordeirinhos.

Mas não há dúvida que o troféu de ministro mais perplexo vai para Nelson Teich que acompanhou o delírio de Weintraub, sentado a seu lado, explicitamente boquiaberto.

Resumo da ópera: não apenas Bolsonaro, todo o seu governo deve ser afastado.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247