O silêncio dos culpados

www.brasil247.com - CPI da Pandemia
CPI da Pandemia (Foto: Pedro França/Agência Senado)


Anthony Hopkins já era um ator conhecido quando participou das filmagens de Silêncio dos inocentes, filme de 1991, com enorme sucesso de bilheteria e de público. Seu personagem, Hannibal Lecter, era um psiquiatra diabolicamente assassino, a tal ponto perigoso que o encerraram dentro de uma gaiola especial. O ator inglês assim adquiriu notoriedade. Deixou de ser admirado por poucos, como antes, e passou a ser reconhecido e pago por produções caras e populares. A lembrança daquele filme, assinado por Jonathan Demme, quase uma obra de horror, só não se encaixa como uma luva na atual situação brasileira porque guardamos peculiaridades. Nada de tão diferente a ponto de notabilizar a Vice Procuradora da República Lindôra Araújo como uma magistrada impecável em suas funções. A ousadia que demonstrou na análise dos resultados da CPI da Covid, descartando a maioria das acusações como sem substância, demonstra que não teme o desprestígio junto à população e prefere as homenagens de autoridades no poder. Revelou-se, sem dúvida, Hannibal Lecter mais terrível do que o original. 

A CPI da Covid não se reuniu em silêncio. Funcionou sob os holofotes e as câmeras de televisão. Suas conclusões se fizeram acompanhar pela população nos seus acertos e erros. Culpados, devidamente investigados, não podiam ser julgados por ela, mas entregues às autoridades competentes, incluindo o Procurador Augusto Aras. Quem esperava semelhante atitude da parte da Sra. Lindôra Araújo? Podia-se prever medo, timidez, até vontade de sair correndo. Mas que afrontaria a opinião pública com tamanha desfaçatez parecia imprevisível. 

No filme de Demme, a inocência não garantia nada. A maldade personificada realizava os seus instintos, mais forte do que o sistema prisional. Havia o desejo de punir, impossível de se mostrar presente pela própria natureza dos personagens. Nos processos da Sra. Lindôra, os culpados permaneciam mudos, à espera de que usasse a sua ciência para... absolvê-los. Isso bastaria para que o Presidente Bolsonaro repetisse orgulhosamente que seu governo não se caracterizava por corrupção, como se ninguém, no seu grupo, se valesse de mãos leves para fazê-lo. Na verdade, não nos enganemos. Se os culpados exultarem em nome da impunidade, poupados pela Vice Procuradora, aconselha-se que aguardem. O mundo gira e põe de cabeça para baixo conceitos solidificados. Ainda mais que a culpa não punida recai sobre a cabeça dos pobres. Eles abundam nas ruas, na miséria, à espera de quem os defenda. 

Senadores que participaram da CPI continuam conscientes da vontade geral de chegar aos culpados, sobre o tapete de um escandaloso morticínio. Afinal, cidadãos que caíram por culpa de um governo disposto a jogar todas as cartas em remédios inúteis. Hoje há a consciência de que estamos na hora de definir prioridades. As eleições já apontam vencedores. Motociatas e discursos de bravata não alteram as inclinações da opinião pública. Há gente com receio da cadeia, armazenando loucuras para acalmar os ânimos. A Sra. Lindôra, nossa Lecter tropical, deve ser uma delas. Que espere. Já fez o seu trabalho. Ampara-se em seu silêncio e na certeza de que o futuro não se anuncia com ares de vingança. 

Este artigo não representa a opinião do Brasil 247 e é de responsabilidade do colunista.

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email